MADEIRA Meteorologia

Artigo de Opinião

16/04/2024 08:00

1. O novo (?) CDS

Tenho de reconhecer que fiquei algo perplexo este fim de semana, com a violência do ataque do novo líder do CSD, José Manuel Rodrigues, ao anterior, Rui Barreto.

Ainda por cima porque o Primeiro era o Presidente do Partido ao tempo em que o segundo liderava a Comissão Política do CDS, órgão de decisão da estratégia política do partido (agora alteraram os estatutos e acabaram com essa liderança com duas cabeças).

Quando uma das frases que a imprensa destaca do discurso de José Manuel é a de que o seu partido (...) “não será mais muleta de ninguém”, quanto muito, sublinhou, seremos “parceiros” (...), tenho de ficar espantado.

Primeiro pela forma como critica Rui Barreto, ridicularizando-o, uma vez que ao dizer que o CDS não será mais muleta, está a acusar Barreto de ter sido e estar a ser uma muleta do PSD e que agora com a nova liderança isso acabou.

Ora, que eu saiba, até desmentido em contrário, o que o PSD e o CDS fizeram foi uma coligação, em que concorreram com listas únicas às eleições regionais de 2023.

Se concorrer em coligação é ser uma muleta, como pode José Manuel ter aceite ir na lista? Leia-se, ser muleta ele próprio? Uma vergonha!

Rui Barreto não merecia este ataque.

2. Marcelo em penosas “cambriolas”

Tem sido penoso assistir às últimas cambriolas de Marcelo Rebelo de Sousa.

Primeiro o resultado do inquérito à triste historia da cunha que não foi cunha, mas afinal foi, do filho de Marcelo, que ele trata por “Dr Nuno”.

A Inspeção Geral das Atividades em Saúde, no seu relatório de inquérito à insólita situação em que Marcelo se meteu com o filho, afirma que o Presidente da República e o seu gabinete condicionaram a investigação ao caso das gémeas.

Ficou muito bem visto o Senhor Presidente!

Ainda não refeito desta “esperteza palaciana” eis que Marcelo sente a necessidade de explicar umas condecorações.

Porém só entendeu dever explicar, depois de ter saído num jornal que Marcelo havia condecorado às escondidas (isto é, sem fazer o foguetório, as fotografias a granel e a costumeira imposição das comendas perante as câmaras das televisões para os portugueses verem à noite nas notícias) o Marechal António Spínola, o General Francisco da Costa Gomes, antigos Presidentes da República e os demais membros da Junta de Salvação Nacional.

Ora, o que teme Marcelo? O de sempre – não ser popular em alguma mínima coisa que faz!

Com esse medo, de ter a mínima contestaçãozinha, Marcelo fez com que todo o seu gabinete tivesse uma incompetente amnésia e não divulgasse estas condecorações, ocorridas já em 2023.

Agora que foi descoberto, Marcelo faz aquele ar de pessoa distraída, em que é mestre e diz que foi um lamentável esquecimento, mas que tudo estava no Diário da República e no registo das Ordens Honoríficas portuguesas.

Marcelo tinha dito em 2022 que nos 50 anos da revolução tinha ideia de fazer estas condecorações.

Mas, como é evidente, teve medo do esquerdista radical Francisco Louçã, do historiador Fernando Rosas, outro bloquista, de Carlos Brito, ex líder parlamentar Comunista e da professora aposentada Maria do Rosário Gama uma vez que estes lhe escreveram uma carta considerando uma afronta que estas condecorações viessem a acontecer.

Marcelo, com medo dos radicais de esquerda, decidiu condecorar...às escondidas.

Uma verdadeira atitude de “coragem”, que mostra ao que chegou este país!

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

O presidente do Marítimo tem condições para continuar no cargo após agredir um adepto?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas