MADEIRA Meteorologia

Ucrânia: Zelensky alerta para desinformação russa para cansar aliados

Data de publicação
28 Maio 2024
20:17

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, alertou hoje em Lisboa que a Rússia é muito forte nas suas campanhas de desinformação, que visam provocar cansaço entre os aliados de Kiev em relação à guerra no seu país.

Em conferência de imprensa após assinar com o Governo português um acordo de cooperação válido para dez anos, Zelensky salientou que a Rússia “trabalha muito na guerra híbrida” e em concreto no campo da desinformação, considerando que é importante que “o mundo não se canse”, porque está em causa a justiça.

“Caso contrário, não haverá justiça e o mundo será governado por pessoas como [o Presidente russo, Vladimir] Putin, o que seria uma loucura”, comentou Zelensky, respondendo ao lado do primeiro-ministro português, Luís Montenegro, a uma questão sobre uma eventual fadiga dos aliados de Kiev.

Nas suas declarações, o líder ucraniano expressou satisfação por “até agora a solidariedade mundial ser mantida” no apoio à Ucrânia, apesar das tentativas que atribui a Moscovo de a quebrar através de campanhas de desinformação e propagação de mentiras.

O acordo de cooperação e segurança hoje assinado por ocasião da visita de Zelensky a Lisboa prevê o compromisso de Portugal fornecer a Kiev apoio militar de pelo menos 126 milhões de euros este ano, incluindo contribuições financeiras e em espécie.

Neste acordo, assinado em São Bento entre o primeiro-ministro português e o Presidente ucraniano, com um horizonte de dez anos, salienta-se também que “Portugal contribuirá com apoio militar adicional para a Ucrânia, incluindo aquele a acordar no quadro da União Europeia, da NATO e de outros fora internacionais relevantes”.

Para Zelensky, os acordos assinados com o Governo português e antes disso com a Bélgica e a Espanha são um sinal de que a solidariedade internacional “não é só retórica, mas prática” e contraria os esforços do Kremlin.

O Presidente ucraniano referiu-se também à sua iniciativa de paz, que vai reunir no próximo mês na Suíça dezenas de países, incluindo Portugal, onde serão abordados três pontos essenciais que disse estarem de acordo com o direito internacional.

Numa recente entrevista, Zelensky mencionou três questões que serão negociadas na Suíça: a livre navegação no Mar Negro, para proteger a segurança alimentar global, permitindo as exportações de cereais da Ucrânia; um acordo sobre um apelo ao fim dos ataques a infraestruturas energéticas; e o regresso à Ucrânia de milhares de crianças deportadas para a Rússia.

“Pelo menos temos que começar de algum lugar para conseguir juntar mais países e por isso acho que esta escolha foi certa”, observou hoje o Presidente ucraniano, explicando que os três pontos serão posteriormente enviados para Moscovo: “Vamos ver o que é que eles vão fazer e se vão conseguir concretizá-los depois dessa cimeira”, acrescentou.

Zelensky frisou que um acordo sobre a exportação de cereais no Mar Negro já funcionou anteriormente, graças aos esforços da ONU e da Turquia, mas acabou por ser quebrado pela Rússia, quando estava em causa a segurança alimentar global.

“A Rússia não respeita o próprio mundo”, disse Zelensky, que espera, no entanto, que, se forem cumpridos os três pontos acordados na Suíça, outros possam passar a ser discutidos a partir de então.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Considera que o novo governo vai cumprir o mandato?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas