MADEIRA Meteorologia

Hospital de Ponta Delgada abre processo de averiguações para apurar causas do incêndio

Data de publicação
08 Maio 2024
19:41

O hospital de Ponta Delgada, nos Açores, abriu um processo de averiguações para apurar as causas do incêndio que deflagrou no sábado, mas a presidente da unidade de saúde assegurou que o quadro elétrico tinha as vistorias em dia.

“No dia 06 de maio, em reunião extraordinária do conselho de administração, foi aberto um processo averiguações para efetivamente apurarem-se as causas da origem do incêndio”, afirmou a presidente do Hospital Divino Espírito Santo (HDES), Manuela Gomes de Menezes, falando no auditório da unidade de saúde.

O incêndio no hospital de Ponta Delgada, que deflagrou pelas 09:40 locais de sábado (10:40 em Lisboa) e só foi declarado extinto às 16:11.

Na altura do incêndio estavam no estabelecimento de saúde 333 doentes e foi necessário proceder à transferência de 240.

Numa declaração sem direito a perguntas dos jornalistas, a presidente do conselho de administração do maior hospital açoriano assegurou que o quadro elétrico, onde o incêndio terá tido início, tinha as vistorias em dia.

“As últimas duas vistorias que foram realizadas ao quadro elétrico geral/central do Divino Espírito Santo foram feitas em novembro de 2023 e março de 2024. Isso significa que as vistorias estavam em dia”, salientou.

Manuela Gomes de Menezes adiantou ainda que estão a “decorrer trabalhos tendo em vista a reposição dos sistemas” e que a prioridade após o incêndio ter sido declarado extinto foi “restabelecer alguma energia elétrica” para apoiar a evacuação dos doentes.

Segundo a responsável, o HDES tem atualmente nove geradores a funcionar que “não têm capacidade, de todo, para manter” a unidade em “pleno funcionamento”.

“Está a ser montada uma solução mais robusta ao nível de energia elétrica que permitirá fazer ensaios que vão permitir identificar a extensão dos danos”, acrescentou.

A presidente do hospital destacou também que a fuligem do incêndio “comprometeu a qualidade da água” e que o fumo afetou “todas as zonas técnicas de controlo do ar”.

Ainda segundo Manuela Gomes de Menezes, a administração conta ter no “final da próxima semana parte da rede de águas operacional”, tendo a central telefónica do HDES já sido reativada.

O conselho de administração adiantou igualmente que pretende fazer atualizações semanais da situação.

O Governo dos Açores declarou no domingo a situação de calamidade pública devido ao incêndio para “acelerar procedimentos” que permitam normalizar num “curto espaço de tempo”, a atividade da maior unidade de saúde açoriana.

Não foi ainda divulgada uma contabilização dos estragos do fogo.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Considera que o novo governo vai cumprir o mandato?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas