MADEIRA Meteorologia

Prémios Pulitzer distinguem “corajoso trabalho” de jornalistas na Faixa de Gaza

Data de publicação
06 Maio 2024
23:03

O júri dos Prémios Pulitzer atribuiu hoje uma menção especial ao “trabalho corajoso” dos jornalistas palestinianos que cobriram a guerra na Faixa de Gaza desde 07 de outubro, bem como aos seus colegas mortos durante o conflito.

“Este ano, é reconhecido o trabalho corajoso dos jornalistas e profissionais de media que cobrem a guerra em Gaza. Em condições horríveis, um número extraordinário de jornalistas morreu no esforço para contar a história dos palestinianos e dos trabalhadores em Gaza”, segundo a organização da 108.ª edição dos Pulitzer, durante a transmissão ‘online’ hoje realizada da revelação dos premiados.

Os Prémios Pulitzer, atribuídos pela Universidade de Columbia, em Nova Iorque, a trabalhos de excelência de jornalismo, literatura, teatro e música, já tinham reconhecido o trabalho dos jornalistas em guerras como a da Ucrânia ou do Afeganistão, mas foi considerado que o conflito na Faixa de Gaza, entre Israel e o grupo islamita palestiniano Hamas, vai mais longe devido ao seu eco noutras áreas.

“Esta guerra também ceifou a vida de poetas e escritores (...) Com a atribuição dos Prémios Pulitzer às categorias de Jornalismo, Artes e Letras, assinalamos a perda de testemunhos inestimáveis na linha da frente que ilustram a sofrimento humano”, de acordo com a declaração do júri.

Entre todos os prémios nas categorias jornalísticas, a guerra na Faixa de Gaza também esteve presente noutras secções, como a que homenageia o melhor do jornalismo internacional.

Nesta categoria, o prémio foi atribuído à redação do The New York Times pela cobertura “extensa e reveladora” do “ataque letal” perpetrado por milícias do Hamas no sul de Israel, no dia 07 de outubro, bem como pelo seu trabalho sobre “as falhas dos serviços de informação israelitas e a resposta mortal do Exército de Israel em Gaza”.

O The New York Times e o The Washington Post receberam três prémios cada um na segunda-feira por diversos trabalhos, desde a guerra no Médio Oriente à violência armada ou trabalho infantil, enquanto a agência Associated Press venceu uma das categorias de fotografia por uma série de imagens da cobertura da migração para os Estados Unidos.

O Pulitzer de jornalismo de serviço público foi por sua vez concedido à ProPublica pelas suas reportagens sobre ofertas de presentes e viagens de bilionários a juízes do Supremo Tribunal dos Estados Unidos.

Segundo o júri dos galardões, o prémio distinguiu o caráter inovador do trabalho da ProPublica, um projeto independente de jornalismo de investigação com sede em Nova Iorque, que “perfurou a espessa parede de sigilo” em torno do Supremo Tribunal, que foi forçado a adotar pela primeira vez um código de conduta.

Os Pulitzer galardoaram os melhores do jornalismo de 2023 em 15 categorias, além de oito nas artes, cabendo a cada vencedor um valor de 15 mil dólares (13,9 mil euros).

David E. Hoffman, do The Washington Post, venceu em redação editorial por uma série “atraente e bem pesquisada” sobre a forma como os regimes autoritários reprimem a dissidência na era digital e outro prémio foi para o colaborador Vladimir Kara-Murza, por textos escritos numa cela de uma prisão russa.

Os Pulitzer concederam ainda um prémio de reportagem nacional à equipa da agência Reuters por uma série que investigou os negócios automobilísticos e aeroespaciais do milionário Elon Musk.

A equipa fotográfica da Reuters ganhou o segundo Pulitzer do dia daquela agência pela sua cobertura do ataque do Hamas a Israel e da primeira semana da retaliação de Telavive na Faixa de Gaza.

Por outro lado, a menção especial aos jornalistas palestinianos foi acompanhada por um reconhecimento similar ao escritor e jornalista norte-americano Greg Tate (1957-2021), apontado como um ícone no ambiente mediático da cultura afro-americana.

“A sua linguagem, extraída da literatura, da academia, da cultura popular e do ‘hip hop’, foi tão influente como o conteúdo das suas ideias. As suas inovações estéticas e originalidade intelectual, especialmente na sua crítica pioneira de ‘hip hop’, continuaram a influenciar as gerações posteriores”, explicou a organização.

Os prémios são administrados pela Universidade de Columbia, que tem sido notícia pelas manifestações estudantis contra a guerra na Faixa de Gaza e o conselho dos Pulitzer reuniu-se fora das instalações no fim de semana passado para deliberar os vencedores.

Na quinta-feira, o conselho emitiu um comunicado saudando os estudantes jornalistas de Columbia e de outras universidades em todo o país pelo seu trabalho na cobertura das manifestações que se têm replicado em vários estabelecimentos de ensino superior do país.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Considera que o novo governo vai cumprir o mandato?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas