MADEIRA Meteorologia

Advogados de Trump e Nova Iorque resolvem diferenças sobre caução milionária

Data de publicação
23 Abril 2024
8:36

Advogados do Estado de Nova Iorque e de Donald Trump resolveram segunda-feira as suas diferenças sobre a fiança de 175 milhões de dólares (163 milhões de euros) depositada pelo ex-presidente para impedir o Estado de confiscar os seus bens.

O acordo encurtou uma potencial audiência de um dia em Manhattan, que contaria com testemunhas, noticiou a agência Associated Press (AP).

Como parte de um acordo fechado durante uma pausa de 20 minutos, os advogados de Trump e da Knight Specialty Insurance Company concordaram em manter os 175 milhões de dólares numa conta em dinheiro que renderá juros, mas não enfrentará nenhum risco. A conta cresceu até agora mais de 700.000 dólares (657.000 euros).

O acordo impede o Estado de potencialmente confiscar os bens de Trump para pagar os mais de 454 milhões de dólares que deve depois de perder um processo judicial movido pela procuradora-geral democrata. Letitia James alegou que Trump, juntamente com a sua empresa e os principais executivos, fraudaram banqueiros e seguradoras ao mentir sobre a sua riqueza.

O ex-presidente e presumível candidato republicano às presidenciais de novembro nega as acusações e está a recorrer da sentença.

O juiz Arthur Engoron, que em fevereiro emitiu a enorme sentença depois de concluir que Trump e outros enganaram bancos e seguradoras ao exagerar sobre a sua riqueza nas demonstrações financeiras, presidiu hoje a audiência e esteve em algumas ocasiões numa discussão acesa com o advogado de Trump, Christopher Kise.

Engoron desafiou Kise com exemplos de como o dinheiro que Trump tinha depositado poderia não estar disponível para recolha se a sentença fosse mantida, levando Kise a responder, numa determinada altura, que a “hipótese do juiz é (...) extremamente especulativa”.

Num outro momento, Kise expressou frustração com o gabinete da procuradora-geral de Nova Iorque, Letitia James, atirando: “Parece que não importa o que façamos, vão sempre encontrar falhas”.

Mas Andrew Amer, advogado do Estado de Nova Iorque, propôs os termos do acordo logo depois de começar a falar na audiência, referindo que o Estado queria garantias extras porque Trump levantou o dinheiro com a ajuda de uma seguradora relativamente pequena de fora do Estado.

Como parte do acordo, a Knight Specialty Insurance terá o controlo exclusivo dos 175 milhões de dólares e submeter-se-á à jurisdição do tribunal do Estado de Nova Iorque, ao mesmo tempo em que concorda em não para transferir o dinheiro para fundos mútuos ou outros instrumentos financeiros.

Em declarações aos jornalistas à margem do julgamento criminal de Trump, também em Nova Iorque, Alina Habba, advogada do magnata republicano, acusou Engoron de “não entender os princípios básicos de finanças”.

Trump também criticou Engoron, acusando-o de não compreender o caso.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Quem vai ganhar a Taça de Portugal?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas