MADEIRA Meteorologia

Madeira é a segunda região do país onde é mais caro arrendar casa

Data de publicação
26 Março 2024
11:43

É nos lugares cimeiros que se encontra a ilha da Madeira quando em cima da mesa se encontra as regiões do país onde é mais caro arrendar casa.

Isso mesmo dá conta um estudo do portal imobiliário Imovirtual, que aponta que, após Lisboa (1 800€), que continua a ser o distrito com valores de arrendamento mais elevado, segue-se a Pérola do Atlântico (1 600€), o Porto (1 200€), Setúbal (1 200€).

Já Portalegre (380€), Guarda (412.50€), Bragança (450€) e Vila Real (500€) são os distritos mais baratos para arrendar casa.

No entanto, comparativamente ao período homólogo, foi em Vila Real (-10%) que se verificou uma maior descida do preço médio de arrendamento, sucedendo-se Portalegre (-10%), e Guarda (-2%).

De acordo com este relatório, em relação a março do ano passado, existiu uma subida dos valores de arrendamento de forma geral em praticamente todos os distritos, nomeadamente Beja (+104%) que regista o maior aumento da renda média, que passa de 490€ para 1 000€, Setúbal (+33%), passa de 900€ para 1 200€, Lisboa (+29%) passa de 1 400€ para 1 800€, Faro (+28%), passa de 900€ para 1 150€, Évora (+25%), que passa 600€ para 750€ e Santarém (+25%), que passa de 600€ para 750€.

Já face ao mês anterior, Beja (+54%), Castelo Branco (+21%), Vila Real (+16%) e Bragança (+13%) são os distritos com maior aumento da renda média em março, com os valores a subirem para 1 000€, 562.50€, 500€ e 450€, respetivamente.

Em contrapartida, Portalegre (-28%) foi o distrito que registou a maior descida da renda média em março, comparativamente com fevereiro, descendo ambos para 380€. Segue-se o distrito de Leiria (-6%), onde a renda média se fixa, atualmente, em 850€.

O Funchal é a ilha mais cara para comprar casa

Em termos da venda de casas, Aveiro (+3%), Évora (+3%), Beja (+2%), Braga (+2%) e Leiria (+2%) são os distritos com maior aumento da renda média em março, face ao mês anterior, com os valores a subirem para 289 000€, 165 000€, 105 000€, 276 000€ e 260 000€, respetivamente.

No sentido contrário, Bragança (-6%), Viana do Castelo (-1%) e Faro (-0,1%) foram os únicos distritos que registaram uma descida da renda média em março, comparativamente com fevereiro, descendo para 102 500€, 245 000€ e 434 600€, respetivamente. Segue-se o distrito de Castelo Branco, Coimbra, Guarda e Vila Real (-0%), onde os preços médios se mantiveram exatamente iguais aos do mês passado.

Quanto à comparação com o ano anterior (março 2023), o distrito que registou um maior aumento no preço das casas, foi Portalegre (+19%), onde os valores sobem de 65 000€ para 77 250€. Seguindo-se Santarém (+17%, de 150 000€ para 175 000€), Leiria (+6%, de 225 000€ para 260 000€), Setúbal (+13%, de 306 500€ para 345 000€, Aveiro (+11%, de 260 000€ para 289 000€), e Castel Branco (+11%, de 90 000€ para 100 000€) respetivamente.

Bragança (-15%) foi o único distrito que teve descidas nos seus preços médios, quando comparado com o mesmo período do ano passado, no qual passou de 120 500€ para 102 500€.

Guarda (75 000€), Portalegre (77 250€), Castelo Branco (100 000€), Bragança (102 500€) e Beja (105 000€) mantiveram-se os distritos mais baratos para comprar casa em março. Os mais caros foram Lisboa (448 000€), Faro (434 600€), Setúbal (345 000€), Porto (320 000€).

Em relação às ilhas, a Ilha de São Jorge foi a que teve o maior aumento (+47%, que passou de um valor de 132 449€ para 195 000 euros), comparativamente com o mês anterior. Seguindo-se a Ilha do Corvo (-33%), que passou de 135 000€ para 180 000€.

Por sua vez, a Ilha do Faial (-29%), a Ilha das Flores (-8%) e Ilha Terceira (-1%) foram as que tiveram uma maior descida dos preços médios, com os valores a descerem para 182 000€, 170 000€ e 163 800€ respetivamente.

Por último, 2uando comparado com março de 2023, a Ilha de São Jorge (+87%, que passou de 104 500€ para 195 000€), Ilha das Flores (+82%, que passou de um valor de 93 500 euros para 170 000€), a Ilha do Corvo (+80%, que passou de 100 000€ para 180 000€), Ilha da Graciosa (62%, passou de 77 000€ para 125 000€) foram as que registaram um maior aumento no preço médio de venda.

A Ilha da Graciosa (125 000€) continua a ser a ilha mais barata para comprar casa em março. Enquanto o Funchal (449 000€) manteve-se o mais caro.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Quem vai ganhar a Taça de Portugal?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas