MADEIRA Meteorologia

Carlos André Gomes admite que teve ato inqualificável

Data de publicação
20 Maio 2024
19:30

Carlos André Gomes, presidente do Clube Sport Marítimo acaba de admitir, em conferência de imprensa, que a atitude que teve ontem à chegada à Madeira, quando agrediu um sócio do Marítimo, foi um “ato irrefletido, um erro da minha parte”.

Trata-se de uma situação desagradável como admitiu Carlos André Gomes, tendo pedido desculpa ao sócio, à família deste, a todos os adeptos e a todas as pessoas. No encontro com os jornalistas, que decorre no Estádio do Marítimo, Carlos André Gomes reforça que o comportamento que teve é inqualificável e que jamais o repetirá.

Quanto à conferência de imprensa convocada para esta tarde, Carlos André Gomes disse que o objetivo foi o de fazer um balanço, agora que o campeonato fechou. “Não o fizemos no momento em que o campeonato estava a decorrer, em defesa dos interesses do Marítimo e em defesa do grupo”, sublinhou. Mas onde foi necessário o presidente falar, que foi dentro de casa, Carlos André Gomes diz que o fez, tal como aconteceu hoje, perante todo o grupo.

O presidente do Clube Sport Marítimo refere que quando chegou, fez, juntamente com a equipa, a organização do papel de cada um. Por outro lado, assim que entraram, tentaram fazer com que nunca faltasse salário a quem ali trabalha. “E o Marítimo tem os seus compromissos em dia com todos os seus trabalhadores e fornecedores”, assegurou.

No que toca aos terrenos de Santo António, Carlos André Gomes relembra que os mesmos estão plena posse do Marítimo. Foi esta equipa que resolveu. Quanto à licença de utilização, a 29 de fevereiro foi conseguida, o que “evitou uma série de constrangimentos financeiros que poderiam acarretar”. Já no que diz respeito ao relvado, Carlos André Gomes afirma que aquele, não estando numa condição de excelência, está numa condição muito boa.

O presidente do Marítimo falou também de uma ação em Tribunal imposta por um funcionário e que ficou resolvida.

Já no plano desportivo, havia uma coisa importante. A atual equipa não queria chegar e substituir o treinador sem fazer uma avaliação. “Percebemos e, em determinada altura, sentimos que era importante alterar. E a primeira solução que encontrámos foi sempre o Fábio Pereira”, adiantou.

”Não houve algum que falhasse no seu compromisso. Fizeram um trabalho muito bom. Não conseguimos o nosso objetivo mas não vos faltou dignidade na defesa do Marítimo. E isso agradeço imenso”, adiantou.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Considera que o novo governo vai cumprir o mandato?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas