MADEIRA Meteorologia

Artigo de Opinião

GATEIRA PARA A DIÁSPORA

9/04/2024 08:00

Realizou-se em França, no final de março, o concerto da Sidaction, que permite angariar fundos para a luta contra a doença. Durante a transmissão do primeiro Sidaction, em 1994, a atriz francesa Clémentine Célarié, depois de ouvir o homem homossexual que se havia apresentado como seropositivo, confessou que lhe queria dar um beijo na boca. Ao ato de coragem dele, dado o anátema relativo a ser portador do vírus, aliado ao facto de ser homossexual, juntou-se o dela, devido às falsas ideias sobre a transmissão da doença. Então, a mesma mão direita que antes segurava o microfone chama-o por duas vezes, o sorriso dela vai de encontro ao corpo dele, unindo o que antes eram dois, sem intervalo, com as duas mãos direitas – de dois corpos que nunca se haviam tocado – nas respetivas nucas, até então um dos pontos cegos do corpo humano, e que assentam na vértebra que se chama atlas. Só soube disto 30 anos depois de ter acontecido, e é preciso apregoá-lo, repetindo o beijo que nos expande tornando-nos um, urbi et orbi.

Descobri com estupefação que precisamente no mesmo dia, 7 de abril, em que a humanidade se expandia pelo beijo, que ainda hoje nos faz maiores, daquela atriz francesa e do homem seropositivo, a humanidade também encolhia no Ruanda, o pequeno país – é este o título da canção, Petit Pays, de Gaël Faye, e também do seu livro homónimo – da África dos Grandes Lagos, em que machetes e mocas de madeira com pregos espetados começavam o «trabalho» que resultaria num esforço continuado de 100 dias em que cerca de um milhão de pessoas – a grande maioria tutsis, mas também alguns hutus, twa e/ou opositores do genocídio – foram assassinadas. Foi de tal ordem a mortandade que se suspendeu nas escolas o ensino da história durante um ano e foram necessários dez anos para definir um novo programa. Na língua do país, o quiniaruanda, teve de se inventar uma palavra que até então não existia para designar essa realidade inimaginável mesmo após a Shoah (Holocausto), «jenocide». Foi assim há 30 anos. Por ocasião deste aniversário, o presidente Macron afirmou pela primeira vez a falta de vontade da França, e dos países ocidentais e africanos, em parar o genocídio, mas veio depois desdizer-se. Na sua mensagem, António Guterres referiu que os impulsos mais sombrios da humanidade estão a ser novamente reavivados pelas vozes do extremismo, da divisão e do ódio. A ONU também alertou que devemos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para prevenir o crime de genocídio em todo o mundo. Seis meses depois do início da guerra em Gaza, estaremos a ouvir?

No dia 3 de abril, Tiago Rodrigues, o primeiro diretor estrangeiro do Festival de Avinhão, lembrou com acuidade que se faz, e celebra, desde 1947 tal festival para, depois da Shoah, da ocupação e da libertação, se celebrar a liberdade artística e a descentralização das artes. Este ano, o festival apresenta uma paridade de género dos criadores e isso enriquece-o. Haverá pela primeira vez uma língua convidada, a espanhola, e 30% das criações serão de artistas que a partilham, incluindo espanhóis, chilenos, argentinos, peruanos e uruguaios. Um «artista cúmplice», o coreógrafo francês Boris Charmatz, atual diretor do Tanztheater Wuppertal, a companhia de Pina Bausch, auxiliará na criação do festival. Lembrou-nos da bonita cena no espetáculo Nelken (Cravos) desta companhia em que um bailarino interpreta em língua gestual a canção The man I love. Ao ver tal espetáculo, apercebi-me de que a revolução nos atapetou o chão com cravos – os bailarinos dançam e atuam por sobre um chão de cravos – e se não tivermos cuidado eles estragam-se, ou haverá mãos trabalhadoras – como no caso da criação em questão –, que depois de cada espetáculo endireitam os cravos, entre os 8000, que perderam a verticalidade? Viva os cravos de Abril e as mãos que deles cuidam!

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

O presidente do Marítimo tem condições para continuar no cargo após agredir um adepto?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas