MADEIRA Meteorologia

TAP: Pedro Nuno Santos desconhecia fundos Airbus nas negociações com Neeleman em 2020

JM-Madeira

JM-Madeira

Data de publicação
15 Junho 2023
17:52

O ex-ministro Pedro Nuno Santos garantiu hoje que desconhecia os chamados fundos Airbus quando foi feita a negociação com David Neeleman, em 2020, em que o Estado pagou 55 milhões de euros ao ex-acionista para sair da companhia.

"Assumi funções em 2019, esse processo foi uma questão que não foi colocada. […] Quando é feita a negociação [com David Neeleman] não existe essa clarividência", respondeu Pedro Nuno Santos ao deputado do PCP Bruno Dias, na comissão de inquérito à TAP.

O deputado do PCP tinha perguntado se o ex-ministro das Infraestruturas e da Habitação sabia dos chamados fundos Airbus no momento em que foi negociada a saída de David Neeleman da companhia aérea, em 2020, quando o Estado pagou ao ex-empresário 55 milhões de euros e recuperou o controlo estratégico da empresa.

"Quando tomou conhecimento desta situação de David Neeleman ter comprado a TAP com dinheiro que a TAP ia pagar?", questionou Bruno Dias.

O negócio entre David Neeleman e a Airbus permitiu a capitalização da companhia pela Atlantic Gateway (consórcio de Neeleman com Humberto Pedrosa que ganhou a privatização feita pelo Governo PSD/CDS-PP), no valor de 226,75 milhões de euros.

O antigo secretário de Estado Sérgio Monteiro disse, no parlamento, ter ficado com a convicção de que se tratou de um desconto comercial, devido à dimensão da encomenda.

Adicionalmente, uma auditoria pedida pela TAP concluiu, no ano passado, haver indícios de que a companhia possa estar a pagar mais do que as concorrentes pelos aviões Airbus, tendo o Governo decidido enviá-la para o Ministério Público, que abriu um inquérito.

"Agora que tenho mais conhecimento do processo, não deixa de me suscitar alguma inquietação. […] Se essa é a explicação, o desconto comercial é da TAP, não é dado ao patrão ou ao acionista", defendeu hoje Pedro Nuno Santos.

O ex-ministro sublinhou que a auditoria não deve ser desvalorizada, mas também não pode afirmar que a operação com a Airbus tenha sido ilegal.

Na semana passada, na sua audição na comissão de inquérito, o antigo ministro da Economia António Pires de Lima desvalorizou a auditoria, que chamou de "papel" que expressa uma opinião.

"Não é um papel como ouvi aqui. Qual papel?", aludiu Pedro Nuno Santos, sublinhando que a auditoria foi pedida pela TAP a sociedades de advogados.

Relativamente aos 55 milhões de euros pagos a Neeleman, o ex-governante reiterou que se tratou de uma negociação "com um empresário que não estava obrigado a ceder nada", para evitar litigância.

Pedro Nuno Santos foi também questionado sobre as declarações do advogado e antigo administrador da TAP Diogo Lacerda Machado, que defendeu, na comissão de inquérito, que as condições excecionais criadas pela pandemia de covid-19 anulavam o acordo parassocial assinado entre o Estado e a Atlantic Gateway, não havendo, por isso, lugar àquele pagamento.

"O que sei é que a sociedade de advogados contratada pela Parpública tinha um entendimento diferente e é partir desse entendimento que se faz essa negociação. Mesmo que o Estado fosse invocar um evento excecional que permitisse, no limite, não pagar nada, essa interpretação do Estado teria de ser disputada judicialmente. […] Não havia tempo", contrapôs o ex-ministro.

LUSA

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Quem acha que vai governar a Região após as eleições de 26 de maio?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas