MADEIRA Meteorologia

Grupo VITA, que acompanha vítimas de abusos sexuais na Igreja, apela à adesão de psicólogos da Madeira

JM-Madeira

JM-Madeira

Data de publicação
19 Junho 2023
10:24

O Grupo VITA, que acompanha vítimas de abusos sexuais na Igreja, apelou hoje aos psicólogos, sobretudo de Castelo Branco, Açores e Madeira para aderirem ao projeto, lembrando que ainda existem áreas do território a descoberto.

Em comunicado, a organização, que até final de maio tinha recebido 16 pedidos de ajuda, lembra que a Bolsa de Psicólogos para acompanhar as vítimas de violência sexual no contexto da Igreja Católica em Portugal tem já 70 profissionais, mas sublinha que a distribuição destes profissionais não é uniforme.

"A distribuição geográfica destes profissionais não é totalmente uniforme e existem ainda áreas a descoberto, pelo que apelamos aos psicólogos especialistas das regiões da Madeira, Açores e também de Castelo Branco, em concreto, para que nos contactem no sentido de colaborar com este projeto", refere a nota.

De acordo com o mapa disponibilizado, o distrito de Lisboa tem 24 psicólogos sinalizados, o do Porto 16 e o de Setúbal sete e o Algarve quatro. O distrito de Castelo Branco é o único sem psicólogos sinalizados, o mesmo acontecendo com a Madeira e os Açores.

O comunicado avança ainda que os profissionais que já fazem parte da Bolsa de Psicólogos vão iniciar formação especializada no próximo dia 17 de julho e lembra que a Bolsa de Psiquiatras está também em fase de constituição, tendo já sido identificados 12 especialistas que se disponibilizaram a integrar o projeto.

"A Bolsa de Psiquiatras e de Psiquiatras da Infância e Adolescência está ainda a ser constituída, em articulação com os respetivos Colégios de Especialidade da Ordem dos Médicos", explica.

Segundo a nota, a formação inicial a receber por estes especialistas irá abordar o tema da violência sexual em geral, os processos de avaliação e intervenção psicoterapêutica com vitimas e agressores e o seu enquadramento no âmbito do Direito penal e canónico.

Esta formação será dinamizada pelos elementos do Grupo Executivo e Consultivo do Grupo VITA, acrescenta.

O Grupo VITA lembra que está em funcionamento há um mês e, em articulação com a Ordem dos Psicólogos Portugueses.

Continua a receber pedidos de ajuda por parte de vítimas de violência sexual, estando a decorrer os respetivos atendimentos - ‘online’ e presenciais -, que "permitem a recolha adicional de informação e o posterior encaminhamento de modo a ir ao encontro das necessidades identificadas", refere.

O grupo lembra igualmente que estão a ser sinalizadas diversas situações ao Ministério Público e à Igreja, "permitindo o início dos respetivos processos de investigação".

O Grupo VITA pode ser contactado através da linha de atendimento telefónico (91 509 0000) ou do formulário para sinalizações, já disponível no site www.grupovita.pt.

O grupo foi criado em abril, no âmbito da Conferência Episcopal Portuguesa. Assume-se isento, autónomo e independente e visa acolher, escutar, acompanhar e prevenir as situações de violência sexual de crianças e adultos vulneráveis no contexto da Igreja Católica em Portugal, numa lógica de intervenção sistémica.

A apresentação do primeiro relatório de atividades está já marcada para o dia 12 de dezembro de 2023.

Lusa

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

O presidente do Marítimo tem condições para continuar no cargo após agredir um adepto?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas