MADEIRA Meteorologia

Ministro manifesta estranheza e tristeza por médicos marcarem nova greve

JM-Madeira

JM-Madeira

Data de publicação
16 Junho 2023
17:58

O ministro da Saúde, Manuel Pizarro, reagiu hoje com estranheza e tristeza ao anúncio da greve da Federação Nacional dos Médicos (FNAM) para 05 e 06 e julho, frisando haver negociações marcadas.

Em declarações à margem do XIII Congresso Nacional de Cirurgia de Ambulatório, que decorreu hoje em Santo Tirso, o governante não escondeu a surpresa pela decisão anunciada em 02 de junho.

"Temos rondas negociais marcadas com os sindicatos, não posso deixar de manifestar alguma estranheza e até alguma tristeza pelo facto de haver greves pré-anunciadas por sindicatos que têm reuniões negociais marcadas".

Nessa data, a presidente da FNAM, Joana Bordalo e Sá, frisou à Lusa que, em relação à revisão das grelhas salariais dos médicos, a FNAM está "ainda sem nenhuma proposta concreta por parte do Governo", o que faz com que seja "obrigada a lançar o pré-aviso de greve" para 05 e 06 de julho.

A decisão de avançar para esta greve, a segunda depois da paralisação de dois dias realizada no início de março, foi tomada após a reunião ocorrida naquela data com o Ministério da Saúde, no âmbito das negociações que estão previstas terminar no final deste mês.

Segundo a presidente da FNAM, se até 30 de junho, dia em que termina o protocolo negocial, o Governo "ceder e apresentar propostas concretas que sirvam os médicos e o Serviço Nacional de Saúde (SNS)", a greve pode ser evitada.

Hoje, em Santo Tirso, quando questionado pela Lusa se até ao final do mês o ministério iria avançar com novos números, Manuel Pizarro respondeu: "Prefiro confiar na capacidade de estarmos todos de boa-fé a negociar aquilo que é verdadeiramente importante para o SNS e para os portugueses, que é um acordo entre o Estado e os médicos".

As negociações tiveram o seu início formal já com a equipa do ministro Manuel Pizarro, mas as matérias a negociar foram acordadas ainda com a anterior ministra, Marta Temido, que aceitou incluir a grelha salarial dos médicos do SNS no protocolo negocial.

Em cima da mesa estão, assim, as normas particulares de organização e disciplina no trabalho, a valorização dos médicos nos serviços de urgência, a dedicação plena prevista no novo Estatuto do SNS e a revisão das grelhas salariais.

No início de março, os médicos realizaram uma greve de dois dias para exigir a valorização da carreira e das tabelas salariais, convocada pelos sindicatos que integram a FNAM, mas que não contou com o apoio do SIM, que se demarcou do protesto, alegando que não se justificava enquanto decorrem negociações.

Lusa

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Quem vai ganhar a Taça de Portugal?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas