MADEIRA Meteorologia

CDS fala em dia "agridoce" entre memória de Abril e "atrocidades" das FP25

JM-Madeira

JM-Madeira

Data de publicação
25 Julho 2021
15:38

O vice-presidente do CDS-PP Miguel Barbosa reagiu hoje à morte de Otelo Saraiva de Carvalho, considerando tratar-se de um dia "agridoce", ao lembrar a sua ação na conquista da liberdade e, em simultâneo, "as atrocidades" das FP-25.

No dia em que "o CDS regista com tristeza" a morte de Otelo Saraiva de Carvalho, o vice-presidente Miguel Barbosa assegurou à agência Lusa que o partido "não se deixa embriagar pela história", naquele que considera ser "um dia agridoce para os portugueses".

Por um lado, Miguel Barbosa lembra Otelo como "um dos principais obreiros do golpe de estado que ficou conhecido como a Revolução dos Cravos, o 25 de Abril de 1974", reconhecendo-lhe "um primeiro ato importantíssimo para devolver Portugal à liberdade e à estabilidade de uma democracia liberal, que apenas se veio a confirmar com o 25 de novembro".

Mas, por outro, sublinha "aquilo que O CDS não esquece", apontando o capitão de Abril como "um homem que, entre estas duas datas, teve atitudes e comportamentos em que contradiz tudo aquilo que parecia defender".

Na lista do que o CDS não esquece inclui "o Comando Operacional do Continente (COPCON), os mandados de captura em branco e as vítimas mortais do terrorismo das FP25", para sublinhar: "Não esquecemos que Otelo Saraiva de Carvalho era o rosto de toda essa atrocidade".

O partido que em 1976 "votou contra a Constituição e, nos anos 90", contra "a amnistia e o indulto que o Presidente da República entendeu dar a Otelo e a outros operacionais das FP25", assegura não esquecer "toda uma história de atrocidades contra a liberdade contra a democracia", com que "procuraram no fundo impedir que Portugal trilhasse o caminho até à liberdade em democracia liberal".

Portugal "perdeu hoje uma das pessoas e uma das personagens mais polémicas da história recente do nosso país", afirmou Miguel Barbosa, considerando importante lembrar, por um lado, "aquilo que [Otelo] acrescentou e onde fez a diferença para promover a transição da ditadura para a democracia", mas não menos importante, "não esquecer os obstáculos que criou a que essa democracia se cristalizasse e fizesse o seu caminho".

Reafirmando as memórias das "vítimas que morreram pelos ataques das FP25, crianças inclusive", o vice-presidente do CDS disse esperar que "não se reabram feridas antigas" e que "os familiares dos que perderam os seus pais, filhos, irmãos, para as mãos do terrorismo de Abril, possam hoje também encontrar alguma paz".

Otelo Saraiva de Carvalho, militar e estratego do 25 de Abril de 1974, morreu hoje de madrugada, aos 84 anos, no hospital militar.

Lusa

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Considera que o novo governo vai cumprir o mandato?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas