MADEIRA Meteorologia

Pedro Proença diz que teria renunciado se Mário Costa não o tivesse feito

JM-Madeira

JM-Madeira

Data de publicação
16 Junho 2023
11:20

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Pedro Proença, admitiu hoje que teria renunciado ao cargo se o agora ex-presidente da Assembleia Geral, Mário Costa, não o tivesse feito, após suspeitas de tráfico humano.

"Ética, transparência, credibilidade e idoneidade são, para mim, mais do que meras palavras ou conceitos abstratos. São princípios que sempre guiaram a minha vida pessoal e profissional e dos quais jamais abdicarei", refere Pedro Proença num comunicado no sítio da LPFP.

O responsável admite ainda que os últimos dias, após ter tomado conhecimento da suspeita de tráfico de seres humanos numa academia de futebol de Riba de Ave, foram dos mais difíceis que viveu nos oito anos como presidente da Liga Portugal.

"Por mais numerosos que sejam os momentos críticos geridos pelo presidente de uma instituição com a envergadura e a dimensão da Liga Portugal, o período que se seguiu ao momento em que tomei conhecimento, perplexo e pela comunicação social, das notícias que envolviam Mário Costa constituiu uma total surpresa para mim", refere.

Sem pretender "colocar em causa o princípio de presunção de inocência", Pedro Proença recorda que a Liga Portugal "tem-se batido pela defesa de valores éticos, de transparência e idoneidade", pelo que "não pode ficar associada às noticias que vieram a público", envolvendo Mário Costa.

"A renúncia apresentada por Mário Costa ao cargo de presidente da Mesa da Assembleia Geral da Liga Portugal, em menos de 72 horas - a celeridade, atendendo à relevância do que estava em causa, era uma variável essencial -, atenua os danos reputacionais provocados à instituição", adianta.

Pedro Proença reconhece que todos devem "tirar ilações do sucedido", mas que a Liga Portugal, que tem "implementados mecanismos exigentes e internacionalmente reconhecidos", tem que "fazer mais" para se "proteger da exposição a situações como a que viveu nas últimas horas".

"E vamos fazer mais e melhor, de forma célere, porque o futuro assim o exige", afirma Pedro Proença, acrescentando que foi já marcada para 23 de junho uma assembleia geral eleitoral intercalar, para a eleição do novo presidente da Mesa da Assembleia Geral da Liga Portugal.

Desta forma, será já o novo presidente da Assembleia Geral a conduzir a reunião magna agendada para 26 de junho, para aprovação do plano de atividades e orçamento para a época de 2023/24.

Paralelamente, Pedro Proença irá reforçar "todas as políticas de ‘compliance’ (conformidade) e os mecanismos de escrutínio prévio da idoneidade de todos os membros dos órgãos sociais, direção, direção executiva e colaboradores da Liga Portugal".

"Um dos eixos estratégicos que apresentei no meu programa eleitoral para 2023-27 foi o de garantir que a Liga Portugal liderará pelo exemplo. Exemplo das boas práticas de governação. Exemplo de ética. Exemplo de transparência. Não abdicarei desses princípios e serei sempre intransigente na defesa do bom nome da Liga Portugal", adianta.

Pedro Proença deixa "como garantia" que nunca admitirá que "a reputação da instituição seja manchada sem ação firme e imediata" e recorda que "só poderá estar ao serviço da Liga Portugal quem partilhe, de forma inequívoca e comprovada", dos seus princípios inalienáveis.

"A resposta do futebol profissional será a mesma de sempre: superar desafios, reforçar a competitividade e lutar pela sustentabilidade desta indústria, sem abdicar dos seus valores e princípios orientadores. Teremos agora, estou seguro disso, mais e melhores condições para alcançar esses desígnios", conclui.

LUSA

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

O presidente do Marítimo tem condições para continuar no cargo após agredir um adepto?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas