MADEIRA Meteorologia

Neemias Queta, o 'bom gigante' que concretizou o sonho português da NBA

JM-Madeira

JM-Madeira

Data de publicação
30 Julho 2021
12:12

O ‘bom gigante’ Neemias Queta tinha, menino do Vale da Amoreira, o sonho de jogar da Liga norte-americana de basquetebol (NBA) e, aos 22 anos, a realidade está aí, o presente são os Sacramento Kings.

Aos que se riram na sua cara, quando dizia que queria chegar à principal competição do mundo, respondeu com trabalho e, três anos depois de trocar Portugal pelos Estados Unidos, foi eleito na 39.ª posição do ‘draft’ e está a meses de se juntar à elite do basquetebol. A época 2021/22 arranca em 19 de outubro.

"Quando dizia que queria chegar à NBA, houve pessoas que se riram na minha cara, houve pessoas que disseram que não era possível. E eu não me preocupei com isso. Tens de acreditar no que tu achas que és capaz de fazer", disse, recentemente, o internacional luso.

Curiosamente, deverá iniciar - tudo indica, pois pode sempre haver trocas ou outras situações - a sua carreira na NBA na cidade onde brilhou no feminino, na WNBA, a base portuguesa Patrícia ‘Ticha’ Penicheiro, menina da Figueira da Foz, que atuou 12 épocas nas Sacramento Monarchs, sagrando-se campeã em 2005.

Neemias Queta fez-se jogador no Barreiro, ao serviço do histórico Barreirense, clube formador pelo qual alinhou pelos sub-14, sub-16 e sub-18, antes de rumar ao Benfica, em 2017/18, jogando maioritariamente na equipa secundária, na Proliga, com passagens episódicas pela formação principal.

O poste, nascido em 13 de julho de 1999, terminou a primeira época pelos ‘encarnados’ sem um destaque imenso, sem que se visse ali um prodígio, quando completava 19 anos, mas achou, confiante, destemido, que era a altura certa para partir à aventura.

Rumou à Universidade de Utah State, aos Aggies, equipa que não pertence à elite do basquetebol da NCAA, e em pouco tempo começou a mostrar o seu valor, até virar ídolo e tornar-se referência, com melhorias evidentes em todos os aspetos do seu jogo.

O poste luso não é um exímio marcador de pontos, um lançador talentoso ou um jogador imparável, mas, defensivamente, é um portento, ali, junto ao aro, a sua envergadura intimida, ali, em território de ‘gigantes’, nunca podes lançar cómodo à sua frente.

Os Sacramento Kings escolheram um jogador que é um verdadeiro especialista na defesa, um basquetebolista que se tem destacado cada vez mais na ‘arte’ de fazer desarmes de lançamento e ‘limpar’ as tabelas, sobretudo a defensiva, garantindo ressaltos.

No capítulo ofensivo, Neemias Queta também tem progredindo, nomeadamente nos lançamentos de média distância - não será provável vê-lo a lançar ‘triplos’ - e especialmente perto do cesto, onde a sua técnica individual o ajuda.

De 2018/19 a 2020/21, no capítulo universitário, o internacional luso teve médias de 13,2 pontos, 9,0 ressaltos, 2,5 desarmes de lançamento e 2,0 assistências, com 59,4% nos lançamentos de campo.

Trata-se de médias dos três anos, mas há outros números, que mostram a sua evolução, de um jogador que, ainda assim, está longe de ser um ‘produto acabado’: somou 11,8 pontos de média na primeira época, 13,0 na segunda e 14,9 na terceira).

Em 2020/21, acabou mesmo, e pela primeira vez, com média de ‘duplo duplo’ (14,9 pontos e 10,1 ressaltos), mais um recorde de 3,3 desarmes de lançamento, o que fez com que fosse um dos quatro finalistas ao prémio Naismith de melhor defensor do ano do basquetebol universitário (NCAA).

Neemias destacou-se individualmente e foi preponderante no sucesso coletivo de Utah State, que conduziu à vitória na Conferência Montain West em 2019 e 2020. Em 2021, não logrou esse objetivo, mas chegou, ainda assim, ao ‘March Madness’.

Os Aggies caíram na primeira ronda, perante Texas Tech (53-65), apesar dos 11 pontos, 14 ressaltos, oito desarmes de lançamento, seis assistências e um roubo de bola de Neemias, na sua despedida universitária, antes de se propor ao ‘draft’, abdicando da época de ‘senior’, o que aconteceu em 29 de março.

"Depois de conversas com a minha família e os membros da equipa técnica da Universidade de Utah State, decidi perseguir o meu sonho de jogar na NBA e declaro-me para o ‘draft’ da NBA de 2021", escreveu, então, na sua conta no Twitter.

Em 2019, também se tinha declarado elegível e acabou por recuar, mas, desta vez, a decisão era irreversível e Neemias Queta faz agora parte da NBA e em 2021/22 vai, certamente, tornar-se o primeiro português a tornar realidade o sonho.

O ‘bom gigante’ do Barreiro está lá e vai concretizar o sonho, que foi de Carlos Lisboa, nos anos 80 do século passado, de João ‘Betinho’ Gomes, mais recentemente, e um pouco de todos os que, miúdos, começar a driblar uma bola de basquetebol e a ouvir falar do mundo ‘mágico’ da NBA. Portugal vai entrar no 'mapa'.

Pedro Belo da Fonseca, LUSA

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Considera que o novo governo vai cumprir o mandato?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas