MADEIRA Meteorologia

Papa pede aos artistas que interpretem o "grito silencioso" dos pobres

JM-Madeira

JM-Madeira

Data de publicação
23 Junho 2023
11:14

O Papa Francisco apelou hoje aos artistas para que interpretem o "grito silencioso" dos pobres durante um encontro com duas centenas de autores de todo o mundo, incluindo sete portugueses, na Cidade do Vaticano.

"Não se esqueçam dos pobres, que são os preferidos de Cristo, em todas as formas em que se é pobre hoje. Também os pobres necessitam de arte e de beleza", afirmou Francisco.

O pedido foi feito no final de um encontro na Capela Sistina em que participaram os artistas portugueses Pedro Abrunhosa, Joana Vasconcelos, Vhils, Rui Chafes, José Luís Peixoto, Gonçalo M. Tavares e Marta Braga Rodrigues.

O Papa disse que muitos pobres "experimentam formas muito duras de privação da vida", pelo que necessitam ainda mais de arte.

"Normalmente, não têm voz e vocês podem ser intérpretes do seu grito silencioso", afirmou, citado pela agência espanhola EFE.

Francisco convidou os artistas a fugir da "falsa beleza cosmética", que disse ser "muitas vezes cúmplice dos mecanismos económicos que geram desigualdades".

Agradeceu aos artistas por serem "também sentinelas do verdadeiro sentido religioso, por vezes banalizado ou comercializado".

"Sinto que sois aliados de tantas coisas que me são caras, como a defesa da vida humana, a justiça social para os últimos, o cuidado da nossa casa comum, o sentimento de que somos todos irmãos e irmãs", afirmou.

O chefe da Igreja Católica defendeu que a arte não anestesiar consciências e que os artistas recordam muitas vezes que não há sempre luz quando exploram o submundo da condição humana.

"Ajudai-nos a vislumbrar a luz, a beleza que salva", pediu.

Numa época que descreveu como "uma era de colonização ideológica pelos meios de comunicação social e de conflitos dilacerantes", Francisco apelou ainda aos artistas para que cultivem "o princípio da harmonia".

O encontro com pintores, escultores, arquitetos, escritores, poetas, músicos, realizadores e atores assinalou o 50.º aniversário da inauguração da Coleção de Arte Moderna e Contemporânea dos Museus do Vaticano.

O primeiro encontro deste género remonta a 1964, quando Paulo Vi apelou para uma renovada amizade entre a Igreja e os artistas.

Além dos portugueses, participaram, entre outros, os cantores brasileiro Caetano Veloso e angolano Pulo Flores, o escritor espanhol Javier Cercas, o artista plástico indo-britânico Anish Kapoor, o pianista italiano Ludovico Einaudi e o realizador norte-americano Abel Ferrara.

LUSA

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Quem vai ganhar a Taça de Portugal?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas