MADEIRA Meteorologia

Livre aponta para “insuficiência de respostas sociais” no Porto Santo

Data de publicação
17 Maio 2024
17:32

A candidatura do Livre deslocou-se até ao Porto Santo onde se confrontou com diversos problemas, “agravados pela sazonalidade” e pela “insuficiência de respostas sociais”.

Marta Sofia, cabeça-de-lista, diz que como resultado de uma situação de dupla insularidade, os porto-santenses ficam “profundamente afetados pelas limitações nas ligações marítimas e aéreas”.

O partido afirma, por exemplo, que no acesso à habitação a situação “é ainda mais grave que na Madeira”. “Hoje há já mais alojamentos que população”, disse a candidata.

Por seu turno, na saúde a capacidade de resposta aos utentes e doentes porto-santenses “é manifestamente insuficiente, exemplo disso são a deslocações de doentes oncológicos ao hospital na ilha da Madeira para receber tratamento”.

Na visita, o partido salientou três aspetos que marcam a realidade local, mormente o empobrecimento, o decréscimo e o envelhecimento da população residente.

“Em consequência, verificamos ao exemplo da Ilha da Madeira, um acentuado agravamento do custo de vida, condições laborais precárias nos diversos sectores económicos da ilha, a enorme dependência alimentar salientar do exterior, que há muito é reconhecido pelos Porto-Santenses e ignorado durante estes 48 anos”, disse a cabeça-de-lista, salientando, ainda, o decréscimo e o envelhecimento da população residente.

“O que se exige são programas de apoio e aposta na atração de profissionais qualificados para trabalhar em todas os setores económicos e decidida intervenção na formação local contínua para melhorar e qualificar os recursos humanos existentes, bem como na salvaguarda dos direitos laborais de todos os trabalhadores”, acrescentou.

Deste modo, o Livre defende que o primeiro passo para se iniciar um processo de resolução dos “graves problemas” que os porto-santenses enfrentam é a garantia de ligações marítimas entre o Porto Santo, a Madeira e o Continente durante todo o ano, com transporte de cargas e passageiros.

“A exigência é que se dê prioridade à resolução dos problemas e não a clientelismos que nos fazem reféns de grupos económicos. Falta vontade política e uma estratégia de desenvolvimento sustentável e fixação de população”, defende.

“Esta candidatura assume as populações como a principal prioridade de toda a ação e proposta política. Com a eleição de representação parlamentar do Livre estamos em condições de garantir que tomaremos a iniciativa e a proposta das medidas necessárias e urgentes para que os Porto-Santenses se vejam representados e defendidos nas políticas regionais”, remata.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Considera que o novo governo vai cumprir o mandato?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas