Bispo espera que pandemia mude sociedade que tende a se afastar do amor

Guadalupe Pereira/Carla Ribeiro

O Bispo do Funchal acredita que talvez a situação de pandemia, em que ainda vivemos, nos tenha feito acordar, um pouco que seja, para as grandes questões que pareciam adormecidas, senão mesmo esquecidas.

D. Nuno Brás falava na celebração da Missa Crismal e do Dia Diocesano do Claro Madeirense, que se celebrou na Igreja da Sé e onde juntou sete dezenas de padres de várias paróquias da Madeira.

Durante a homilia, o Bispo do Funchal disse que convém, por isso, que o presbitério desta Diocese do Funchal, se deixe interrogar não só pelo modo "como vivemos e como saímos deste tempo de confinamento como, sobretudo, pelo lugar que Jesus nos convida a ocupar, e pelo anúncio que Ele nos confia neste mundo que agora recomeça a movimentar-se".

O Bispo falou do pecado da sociedade humana que "persiste em se afastar do amor e da sua dependência, na tentativa gorada de provar que é capaz de vencer por si e com as suas forças; e “nosso” de sacerdotes, marcados pela tibieza, tantas vezes sem a radicalidade e ousadia apostólicas, expressão da urgência do amor!".

"O amor tudo ilumina, tudo coloca no seu devido valor e, por isso, tudo julga. Não tenhamos medo de nos deixarmos julgar por Ele (cada um e o todo do nosso presbitério)", adiantou.

"Quando celebramos a Solenidade do Sagrado Coração de Jesus, estamos, antes de mais, a celebrar a realidade absoluta e concreta que constitui a chave, o segredo de tudo quanto existe. Ninguém entenderá o mundo, a vida, a existência humana, o universo inteiro, a não ser a partir da consideração do amor como absoluto", afirmou o Bispo do Funchal.

"Cada um de nós gostaria, certamente, que ao seu lado estivesse um outro sacerdote: que fosse mais de acordo com o modo como pensa a vida da Igreja e do mundo. Cada um de nós gostaria também de um outro bispo, mais ao seu gosto, capaz de conduzir a diocese para aquele caminho que cada um pensa ser o melhor.

Mas nós somos aqueles que o Senhor chamou, consagrou e enviou", referiu.