Bispo do Funchal anuncia regresso das missas presenciais com condicionalismos

Conforme já tinha noticiado o JM na edição de hoje, as missas presenciais regressam com um conjunto de medidas que visam salvaguardar a saúde dos fiéis. O Bispo do Funchal, D. Nuno Brás, anunciou esta tarde que a partir de amanhã, dia 9 de maio, as igrejas da Diocese do Funchal abrem portas ao Povo de Deus.

“É com grande alegria que, depois de ter dialogado com o Governo Regional, vos posso hoje anunciar que, a partir do próximo dia 9 de maio, as igrejas das nossas Ilhas da Madeira e Porto Santo poderão, de novo, abrir as suas portas para acolher as celebrações comunitárias da Eucaristia e para a oração pessoal dos fiéis”, revelou o Bispo do Funchal.

D. Nuno Brás recorda que não é um regresso em pleno, mas ajustado à contingência que se vive atualmente. As procissões e outros atos festivos continuam impossibilitados, contudo, os sacerdotes poderão passar pelas ruas com as imagens e as bandeiras em cortejo automóvel, permanecendo os demais fiéis nas janelas e varandas de suas casas.

Assim, as igrejas poderão abrir as suas portas para a oração individual durante o dia, em horário determinado, devendo os fiéis respeitar determinadas regras.

Em relação aos funerais, o Bispo do Funchal refere que os sacerdotes deverão continuar a realizar apenas uma celebração da Palavra nos cemitérios, dada a dificuldade de garantir sempre as condições para a celebração da Missa de corpo presente.

Seguem-se as normas exigidas para a celebração comunitária da Eucaristia na Diocese do Funchal a partir de 9 de maio de 2020:

1. A celebração será feita apenas na igreja paroquial, reitorias ou oratórios de comunidades religiosas.

2. Deve ser criado em cada igreja um grupo responsável pelo acolhimento (confraria, catequese, escuteiros...) que ajude a entrada dos fiéis.

3. Antes de entrar na Igreja todos devem desinfectar as mãos com uma solução à base de álcool-gel ou similar e ser portador de máscara protectora.

4. Apenas pode ser admitido a participar 1/3 da capacidade do lugar de culto.

5. Se necessário e for possível, peço aos sacerdotes que multipliquem as celebrações da Eucaristia, que não devem ultrapassar indicativamente os 40 minutos.

6. Os lugares que podem ser ocupados devem estar marcados com um adesivo ou autocolante de cor que contraste com a do banco, de forma que as pessoas saibam exatamente onde se deverão sentar. Não se deve permitir que alguém se sente fora dessas distâncias.

7. O diálogo individual da comunhão ("O Corpo de Cristo" — "Amen") pronunciar-se-á de forma coletiva depois da resposta "Senhor, eu não sou digno...", distribuindo-se a Eucaristia em silêncio.

8. A comunhão deve ser dada na mão, depois de os ministros (com máscara) terem desinfectado as mãos. Devem desinfectá-las também depois da distribuição da comunhão.

9. Para a comunhão, os fiéis deverão vir pelo corredor central da igreja e regressar pelos corredores laterais.

10. Peço aos sacerdotes que continuem a transmitir a Eucaristia via internet

11. Após a celebração, todos os fiéis devem regressar a casa, sem qualquer convívio no adro ou noutro espaço da igreja.

12. A comunhão pode ser levada aos doentes por Ministros Extraordinários da Comunhão, desde que respeitadas as regras de segurança sanitária.

Normas para a abertura quotidiana das igrejas na Diocese do Funchal, a partir de 9 de maio de 2020:

1. As igrejas poderão abrir as portas para a oração pessoal dos fiéis.

2. As horas de abertura devem estar afixadas à porta da igreja.

3. Durante esse período, deve existir alguém encarregado de velar pelo cumprimento destas regras.

4. Os fiéis deverão usar máscara protectora.

5. A visita será possibilitada apenas ao lugar preparado para a oração pessoal.

6. O lugar reservado à oração pessoal deve ser objecto de desinfecção periódica.

7. As pias de água benta devem permanecer vazias, de modo a prevenir a transmissão do coronavírus.