Fragmento do berço de Jesus chega a Jerusalém

Lusa

Um fragmento da manjedoura de madeira que serviu de berço a Jesus Cristo, relíquia de importância crucial para os cristãos, chegou hoje a Jerusalém, depois de ter estado mais de 1.300 anos na Europa.

A relíquia foi apresentada hoje numa missa realizada numa pequena capela perto da cidade antiga de Jerusalém, avançou a agência de notícias francesa AFP.

Cerca de 80 pessoas celebraram o regresso do pedaço de madeira - com cerca de um centímetro de largura e 2,5 centímetros de comprimento - que a Igreja Católica considera ser parte do berço original de Cristo, feito, de acordo com a doutrina, a partir de uma manjedoura.

Após a missa, alguns fiéis ajoelharam-se frente à relíquia, que será objeto de uma peregrinação no futuro.

O fragmento, oficialmente transferido hoje do Vaticano para a Custódia da Terra Santa, em Jerusalém, instituição católica que protege e zela pelos locais cristãos na palestina, será transportado para a cidade palestiniana de Belém, na Cisjordânia, ocupada por Israel, local onde, segundo a religião cristã, nasceu Jesus.

“Isto é importante porque faz parte da estrutura de madeira do berço original de Belém. Essa estrutura de madeira deixou a Terra Santa por volta do ano 640”, explicou Francesco Patton, da Custódia da Terra Santa.

Naquela época, “o papa em Roma era Teodoro e ele tinha raízes palestinianas”, acrescentou para justificar a transferência do berço de Cristo do Médio Oriente para a Europa.

Cerca de 1.380 anos depois, o fragmento da manjedoura regressou a Belém, onde deverá “permanecer para sempre”, referiu Francesco Patton, indicando que a relíquia será guardada na Igreja de Santa Catarina, ao lado da basílica da Natividade.

“Esta é a primeira vez que um fragmento da madeira da manjedoura regressa [à Terra Santa]”, disse, alegando que não é possível transferir a totalidade da estrutura porque “é muito frágil”.

“Não veneramos esta relíquia como um pedaço de madeira, veneramos porque nos lembra o mistério da encarnação, o facto do filho de Deus ter nascido em Belém há mais de 2.000 anos”, acrescentou o responsável da Custódia, adiantando que as celebrações da cidade de Belém pelo regresso do fragmento se irão estender até ao Natal.

A devolução da relíquia foi pedida ao papa em dezembro de 2018, quando o Presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmoud Abbas, visitou o Vaticano para discutir o processo de paz no Médio Oriente.

“Nós e o Presidente Abbas agradecemos ao papa por este presente precioso, que é um sinal de paz e esperança”, afirmou a embaixadora palestiniana na Santa Sé, Issa Kassissieh, também presente na missa realizada em Jerusalém.