Papa critica a ambição e defende a partilha

O papa Francisco insurgiu-se hoje contra a arrogância, a ira e a ambição, apelando para que os crentes partilhem com os demais, durante a missão do Corpus Christi, a que presidiu no bairro romano de Casal Bertone.

“É triste ver com que facilidade hoje se maldiz, de deprecia, se insulta. Tomados por um arrebatamento excessivo, não conseguimos aguentar e descarregamos a ira com qualquer um e por qualquer coisa”, lamentou o papa.

O pontífice argentino disse ainda que, “com frequência, infelizmente, aquele que grita mais e com mais força, o que está mais zangado, parece que tem mais razão e recebe a aprovação dos outros”, pelo que, apelou Francisco, as pessoas não devem deixar-se “contagiar pela arrogância” e pelas queixas.

Jorge Bergoglio observou ainda que as pessoas procuram continuamente “aumentar o que ganham”, mas perguntou em seguida com que propósito: “Dar ou ter? Partilhar ou acumular?”

O papa sublinhou que “a ‘economia’ do evangelho multiplica compartilhando, nutre distribuindo, não satisfaz a voracidade de alguns poucos, mas dá vida ao mundo”.

Assim, em face da arrogância, do egoísmo, da ira e da ambição, Francisco apostou na necessidade dos seres humanos levarem à prática dois verbos “essenciais para a vida do dia-a-dia: dizer e dar”.