Bispo quer “mais firmeza” dos madeirenses na consciência da fé

Alberto Pita

O bispo D. Nuno Brás disse hoje que quando assumiu a Diocese do Funchal, a 17 de fevereiro deste ano, “encontrou uma ilha com “comunidades cristãs vivas” e “muito acolhedoras”, mas passado este tempo já identificou áreas prioritárias onde intervir.

“Creio que é importante percebermos que toda esta realidade que acaba por ser também uma realidade cultural, depois precisa de ter mais firmeza naquilo que é a consciência da fé, naquilo que é a capacidade de dizer a fé, naquilo que é a capacidade de diálogo com esta nova cultura que já surge, que é a cultura dos jovens, da comunicação social, das redes, das escolas e da universidade, por exemplo”, disse, momentos antes do almoço-debate de apresentação do livro “Cenas de Deus”, de D. Nuno Brás, no Funchal.

“Nós, cristãos da Madeira, comunidade diocesana e comunidades paroquiais, precisamos de encontrar os melhores meios para anunciar o evangelho a esta nova cultura que aí está às nossas portas”, indicou, considerando que esta “nova cultura” é, por um lado, “muito racional”, na ciência, na técnica, na economia, e, por outro lado, “de uma irracionalidade extrema quando dá lugar tantas vezes apenas ao sentimento”.