Novo bispo auxiliar de Lisboa, Américo Aguiar, assume vocação de "fazer pontes"

O bispo Américo Aguiar, hoje ordenado bispo auxiliar de Lisboa, afirmou-se durante a cerimónia de ordenação episcopal como um homem de “pontes”, garantindo que continuará sempre “matrimonialmente ligado à diocese do Porto”.

“Há bocadinho entreguei ao sr. presidente da Câmara [do Porto] um anel de bispo, deixei-lhe este símbolo para dizer ao Porto que me sinto matrimonialmente ligado à minha amada diocese do Porto, ninguém troca nada por nada”, disse Américo Aguiar às muitas centenas de pessoas – entre as quais o primeiro-ministro, António Costa - que compareceram na Igreja da Santíssima Trindade, na cidade invicta, para assistirem à sua ordenação.

Afirmando que sempre se sentiu “muito bem a fazer pontes”, o bispo recordou, numa curta intervenção de cinco minutos já no final da cerimónia de ordenação, que teve a duração de duas horas: “Quando era jovem e me meti na política fiz pontes entre a direita e a esquerda, depois fiz pontes entre o Porto e Lisboa, ando a fazer pontes entre o Benfica e o Porto, e penso que uma das nossas vocações é verdadeiramente estabelecermos pontes, não sermos construtores de muros, de obstáculos”, sustentou.