Vaticano demite padre da Congregação para a Doutrina da Fé acusado de abusar de freira

Lusa

O padre austríaco Hermann Geissler apresentou hoje a sua renúncia ao cargo na Congregação para a Doutrina da Fé após ser acusado por uma freira de a ter molestado durante a confissão em 2009.

Numa nota à imprensa, o Vaticano explica que a Congregação informou que Geissler pediu na segunda-feira ao prefeito Luis Ladaria Ferrer "para abandonar o seu serviço”, pedido que foi aceite.

"O padre Geissler deu esse passo para limitar os danos já causados à Congregação e à sua comunidade, e defende que a acusação contra ele não é verdadeira e pede que o processo canónico continue", lê-se no comunicado.

Além disso, o padre, autor de numerosas publicações teológicas, reserva a opção de apresentar "eventuais ações judiciais".

Geissler foi acusado pela freira alemã Doris Wagner-Reisinger de abusos durante uma confissão em 2009 em Roma.

Doris Wagner, ex-freira da ordem alemã de Geissinger acusou publicamente Geissler numa conferência sobre mulheres e abuso sexual de clérigos, realizada em Roma em novembro.