Vaticano considera não existirem condições para visita do papa ao Iraque

Lusa

O cardeal Pietro Parolin, número dois do Vaticano considerou hoje em entrevista à televisão católica italiana TV2000 que não estão reunidas as condições para uma eventual viagem do papa Francisco ao Iraque.

Esta deslocação implicaria “um mínimo de condições que não estão atualmente reunidas”, afirmou Parolin, secretário de Estado do Vaticano, que acabou de efetuar uma visita ao Iraque.

“O problema do terrorismo não está resolvido”, considerou no número dois da Santa Sé, que no decurso da sua viagem manteve a impressão, confirmada pelas autoridades de Bagdad, “de que as raízes deste fenómeno ainda estão presentes”.

No entanto, o cardeal Parolin confirmou o desejo do sumo pontífice de visitar este país do Médio Oriente. “Constituiria decerto um grande encorajamento para os iraquianos face às dificuldades que ainda têm de enfrentar”, tinha declarado na sexta-feira à Vatican News.

No início de fevereiro o papa desloca-se aos Emirados Árabes Unidos, na primeira visita à península arábica de um chefe da Igreja católica, tendo sido, entretanto, admitida uma passagem pelo Iraque.

Esta viagem a Abu Dhabi, de 03 a 05 de fevereiro, ocorre algumas semanas antes de uma viagem a Marrocos agendada para o final de março.

O pontífice argentino, defensor do diálogo entre o conjunto das confissões cristãs e de outras religiões, já de deslocou por diversas vezes a países muçulmanos: ao Médio Oriente e Turquia em 2014, ao Azerbaijão em 2016 e a um encontro inter-religioso no Egito em 2017.