Igreja distinguiu Ruy de Carvalho por testemunho humanista e cristão (vídeo)

Agência ECCLESIA

O ator Ruy de Carvalho recebeu hoje em Fátima o Prémio Árvore da Vida/Padre Manuel Antunes 2018, da Igreja Católica, pelo seu “testemunho de vida e de humanismo”.

D. João Lavrador, bispo de Angra e presidente da Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais falou num “justo prémio” para uma figura que ajuda a “engrandecer” a própria distinção, por causa de um “notável currículo” fruto de “competência profissional e humana”.

“A sua vida é inspiradora para as novas gerações”, declarou, na ‘Domus Carmeli’.

Após receber o prémio, Ruy de Carvalho disse ser “uma honra” ter sido escolhido, considerando ser uma exigência oferecer o seu trabalho “a Cristo e a Deus”.

“Estou ao vosso serviço, o meu trabalho é por vós”, disse aos presentes.

“[Representar] é a procura de um semelhante nosso no nosso próprio corpo”, tinha afirmado antes, durante os trabalhos da 14ª Jornada Nacional da Pastoral da Cultura.

O júri que escolheu o vencedor do prémio Árvore da Vida 2018 enaltece o “sentido exemplar da seriedade profissional” de Ruy de Carvalho e as “implicações culturais da sua presença no espaço público, daí decorrendo a empatia e a influência positiva exercida na sociedade”.

A ata do júri, lida pelo diretor do SNPC, José Carlos Seabra realça o percurso do ator e declamador, de 91 anos, elogiando o seu “sentido exemplar da seriedade profissional” e as “implicações culturais da sua presença no espaço público, daí decorrendo a empatia e a influência positiva exercida na sociedade”.

Do júri fizeram parte D. João Lavrador; o padre Américo Aguiar, presidente do Conselho de Gerência do Grupo Renascença; o padre António Trigueiros, diretor da revista “Brotéria”; Maria Teresa Dias Furtado, professora da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa; Guilherme d’Oliveira Martins, administrador-executivo da Fundação Calouste Gulbenkian; e José Carlos Seabra Pereira.

Ruy de Carvalho nasceu em Lisboa, a 1 de março de 1927, estreou-se em 1942, numa peça encenada por Francisco Ribeiro (Ribeirinho), e anunciou a reforma em 1998, quando interpretava “Rei Lear”, de Shakespeare, para o Teatro Nacional D. Maria II, mas prosseguiu a carreira durante mais duas décadas, pelos palcos, pelo cinema, pela televisão.

O ‘Prémio Árvore da Vida-Padre Manuel Antunes’, composto pela escultura ‘Árvore da Vida’, de Alberto Carneiro, e um montante de 2500 euros, foi instituído em 2005 pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, contando desde então com o patrocínio do grupo Renascença Comunicação Multimédia.

Nas edições anteriores o Prémio galardoou o poeta Fernando Echevarría; o cientista Luís Archer S.J.; o cineasta Manoel de Oliveira; a classicista Maria Helena da Rocha Pereira; o político e intelectual Adriano Moreira; o trabalho de diálogo entre Evangelho e Cultura levado a cabo pela Diocese de Beja; o compositor Eurico Carrapatoso; o arquiteto Nuno Teotónio Pereira; o pedagogo e ex-ministro Roberto Carneiro; o jornalista Francisco Sarsfield Cabral; a artista plástica Lourdes Castro; o professor de Medicina e Bioética Walter Osswald; e o encenador e ator Luís Miguel Cintra.

Uma entrevista da Agência ECCLESIA, em parceria com a Rádio Renascença e Secretariado Nacional da Cultura, ao ator Ruy de Carvalho pode ser visionada no programa ‘70×7’, emitido no próximo domingo às 07h30, na RTP2.