Papa visita o Canadá no final de Julho apesar das dores no joelho

LUSA

O Papa Francisco, de 85 anos, visitará o Canadá de 24 a 30 de julho, apesar da dor de joelho que o obrigou a adiar uma viagem a África, anunciou hoje o Vaticano.

O Papa passará por Edmonton, Quebeque e Iqaluit, avançou a Santa Sé numa declaração, numa viagem durante a qual se espera que o líder religioso renove o seu pedido histórico de desculpas pela tragédia das crianças indígenas nas escolas residenciais geridas pela Igreja.

Em abril, o Papa Francisco já tinha expressado a sua “tristeza e vergonha” perante as delegações aborígenes e bispos canadianos, pedindo “o perdão de Deus pela conduta deplorável destes membros da Igreja Católica”.

O caso remonta ao final do século XIX e à década de 1980, quando cerca de 150 mil crianças aborígenes foram recrutadas à força em mais de 130 escolas residenciais no país, onde ficaram isoladas das suas famílias, língua e cultura.

A descoberta em 06 de junho dos restos mortais de 215 crianças, estudantes da Kamloops Indian Residential School, na província de British Columbia, reavivou a tragédia dos povos originários do Canadá e o seu pedido de justiça.

Estima-se que entre 1890 e 1997 cerca de 150.000 crianças indígenas foram internadas à força em centenas de residências escolares e cerca de 4.000 morreram durante a sua permanência em residências escolares.

Segundo uma comissão nacional de inquérito, o sistema foi considerado em 2015 como um "genocídio cultural".

A confirmação da viagem vem menos de duas semanas depois do adiamento ‘sine die’ de uma visita à República Democrática do Congo (RDC) e ao Sul do Sudão, devido aos problemas de saúde do Papa, que reacenderam a especulação de uma possível demissão.

A excursão do Papa ao Líbano em meados de junho também foi cancelada, apesar de a visita nunca ter sido oficialmente confirmada pelo Vaticano.

Na sua 37.ª viagem desde a eleição em 2013, Francisco viajará para Edmonton, onde se encontrará pela primeira vez com os membros das delegações das Primeiras Nações, Métis e Inuit.

De seguida, no Quebeque e em Iqaluit, vai reunir-se com antigos alunos de escolas residenciais.