Marta Freitas reitera que foi o PS que viabilizou "Orçamento que irá ajudar a Madeira"

Redação

A deputada do Partido Socialista-Madeira à Assembleia da República salientou, hoje, que foi graças ao PS que foi aprovado o Orçamento Suplementar, criticando os deputados do PSD-M por não votarem a favor deste instrumento que irá permitir que a Região receba apoios para fazer face às consequências socioeconómicas da pandemia de Covid-19.

Marta Freitas, que falava esta tarde após uma visita à Associação Monte de Amigos, vincou que foi o PS que viabilizou o Orçamento e acusou os parlamentares sociais-democratas eleitos pela Madeira de, ao contrário daquilo que apregoam, não defenderem os interesses dos madeirenses e porto-santenses. No final, declarou, foi possível ver quem é que está de facto do lado da Região.

A deputada socialista sublinhou que, agora que foi aprovado o Orçamento Suplementar, torna-se premente que sejam efetivados os apoios às famílias na Região Autónoma da Madeira. «É hora de tornar em concreto estes apoios que são necessários, tanto para as famílias como para as empresas», frisou. Neste processo, afirmou que é importante envolver as juntas de freguesia e os municípios como parceiros nas medidas sociais, já que são entidades com conhecimento do terreno e das necessidades da população e têm uma comunicação mais próxima com as associações que prestam apoio às famílias que neste momento estão a viver sérias dificuldades financeiras.

Durante esta visita, Marta Freitas teve oportunidade de ficar a conhecer e testemunhar o trabalho que é desenvolvido pela Associação Monte de Amigos, tendo destacado a importância da sua ação junto das famílias que mais precisam. «A Associação tem tido um papel muito pertinente junto da comunidade madeirense, no sentido de dar resposta às necessidades diárias, mas também na capacitação das pessoas», referiu.

Um dado constatado tem a ver com o facto de, durante a pandemia, ter duplicado o número de famílias e pessoas a precisarem de ajuda, entre as quais muitos emigrantes que regressaram à Região, razão que leva a deputada a frisar a importância de fazer chegar os apoios a este tipo de instituições que, por sua vez, acodem a estas situações.