Miséria regressa ao centro da cidade do Funchal

A pandemia veio tornar mais visível a presença de sem-abrigo e de consumidores de drogas e de álcool no centro do Funchal. Trabalhadores, habitantes e transeuntes sugerem reforço policial, mesmo em ruas que eram muito movimentadas. A PSP diz que tem feito o que pode, incentiva os cidadãos a fazerem denúncias e recomenda um plano integrado entre os serviços de saúde e de segurança social. Esta última entidade minimiza as queixas e garante que os sem-abrigo sinalizados são os mesmos do ano passado. Este é o assunto que faz hoje a manchete do JM.

Em relação à covid-19, saiba que a Madeira alargou testes ao Porto. Tal como já acontece com Lisboa, quem viaja para a Região desde o Norte também vai poder fazer testes antes de partir.
Mais de 400 pessoas chegaram ontem de Lisboa, Porto e Açores.

No Dia da Região, o Parlamento insistiu na revisão constitucional e na defesa da autonomia.

A diáspora assinalou efeméride com iniciativas online.

Na cultura, há um madeirense nomeado diretor de facultade de artes em Macau.

Na religião, as irmãs da congregação Dominicana deixam Fundação Zino.

Conheça também o potencial das Achadas da Cruz para um bom programa de verão.

Leia ainda sobre o livro que recorda ‘Imagens e Memória’ do concelho da Calheta.

Estes e outros assuntos na edição impressa desta quinta-feira do seu JM.