Cafôfo quer o fim de um modelo de desenvolvimento gasto

Patrícia Gaspar

No Dia da Região, o deputado do PS-Madeira quis lembrar a Diáspora e os emigrantes na Venezuela.

Uma das maiores conquistas destes 600 anos de história foi a Autonomia, frisou Paulo Cafôfo, considerando que esta é a resposta mais eficaz ao combate da insularidade.

O conflito do Estado tem que ser resolvido com um órgão de concertação onde a Região se faça ouvir, defendeu.

Cafôfo pediu ainda uma maior cooperação entre as regiões autónomas para reforçar a Autonomia.

Os preconceitos autonomistas que existem no continente e os preconceitos nacionais existentes na Madeira fragilizam a Autonomia e a coesão nacional, alertou o socialista, considerando que não basta pedir dinheiro a Lisboa é preciso atuar na redução das desigualdades, na Educação, no Ambiente e na Saúde.
Para Cafôfo, é evidente que o Serviço Regional de Saúde precisa de uma nova estratégia para garantir um acesso “digno” a todos os cidadãos, resolver as listas de espera, garantir serviços de urgência em todos os concelhos e mais médicos de família.

A Região deve aproveitar a experiência ganha com a pandemia para reformular o sistema de Saude, acrescentou Cafôfo, lembrando os atrasos no processo de construção do novo hospital.

“A Saúde não precisa de mais promessas, mas de soluções”, observou o deputado.

Na economia, Cafôfo considera que é preciso uma “vacina” para curar os erros do passado e acabar com
um modelo de desenvolvimento gasto e ineficaz.

A ampliação da produção regional, a revitalização do Turismo, a promoção do investimento com a redução de impostos, a implementação de um fundo de captação de novas rotas aéreas, um novo pacote legislativo e fiscal para o setor agrícola rural foram algumas das sugestões deixadas, hoje, no Parlamento da Madeira, por Paulo Cafôfo.