PSP usou arma atordoante para neutralizar mulher perturbada no Caniço

Iolanda Chaves

A PSP teve de recorrer a uma arma atordoante (taser) para neutralizar e manietar uma mulher munida de uma faca e perturbada.

De acordo com informação da polícia, este caso passou-se ontem, no Caniço. A mulher "munida de uma faca encontrava-se visivelmente perturbada, alterada e com alucinações (tendo reiteradamente desobedecido à ordem policial de largar a arma, colocando em risco a sua integridade física bem com o dos que com ela residiam e dos polícias chamados ao local)".

A polícia, ainda terá tentado dominar a cidadã "em segurança com recurso ao gás pimenta", mas "foi necessária a utilização da arma elétrica com efeito atordoante, cuja ação foi adequada e proporcional à situação possibilitando salvaguardar a vida e a integridade física da própria cidadã, familiares e polícias".

"Com esta ação a PSP dominou a situação de uma forma eficaz e segura, possibilitando o normal transporte da cidadã para o Hospital Dr. Nélio Mendonça onde recebeu tratamento psiquiátrico. A PSP elaborou o respetivo auto o qual foi enviado para o Ministério Público da Comarca do Funchal acompanhado da faca apreendida", refere a mesma fonte.

O comunicado acrescenta que este tipo de armamento, recentemente distribuído pela Direção Nacional da PSP e alvo de formação intensiva dos operacionais da polícia, "desfere descargas elétricas de potência e efeitos controlados, visando a incapacitação instantânea e temporária de suspeitos, facilitando em muito a tarefa policial no sentido em que possibilita a sua algemagem, preservando a vida e a integridade física de todos os intervenientes".