‘APP’ voluntária para poder monitorizar turistas

David Spranger

Entre as medidas de controlo à chegada aos aeroportos da Região, constam a utilização de uma ‘app’ que possa monitorizar os turistas enquanto estiverem em solo madeirense. Mas por força da legislação, esta aplicação será voluntária.

À margem da visita a uma obra pública no Caniço, Miguel Albuquerque ‘esmiuçou’ o modelo a seguir nos aeroportos da Região, aquando da retoma do turismo.

“O modelo que estamos a seguir, é semelhante ao islandês”, disse o presidente do Governo Regional, já depois de lembrar que “Canárias e Algarve ainda não abriram. Estão ainda a decidir. Aliás, não há nenhum destino que esteja aberto. Em termos de ilhas, o que está mais preparado para avançar para abrir, é a Islândia.

Miguel Albuquerque garante que “vamos providenciar uma abertura do turismo com condições de segurança, no sentido de podermos monitorizar os potenciais infetados. Só entrará através da realização de testes. A partir da origem, com 72 horas, ou testes à chegada na Madeira”.

Isso significa, que “uma das principais atratividades é a circunstância de sermos das regiões do mundo com menos infetados e que não teve nenhum óbito devido à covid”.

Assim, “para além de todos os atrativos naturais, somos considerados uma região sem covid”. Mas, acentuou Miguel Albuquerque, “é essencial garantir que a retoma do turismo, continue a ser feira com segurança. Segurança para os madeirenses e porto-santenses, segurança para quem trabalha nas infraestruturas turísticas”. Para tal, “neste momento estamos a montar toda a logística, com infraestruturas nos aeroportos da Madeira e do Porto Santo, para assegurar que os turistas quando desembarcam, ou apresentam o teste ou fazem o teste no aeroporto. Com obrigatoriedade de medir temperatura e preenchimento de inquéritos”.

E, também, “uma utilização de uma ‘app’, que será voluntária – por causa da lei de segurança de dados – que permitirá ao Serviço Regional de Saúde assegurar a monitorização durante a sua estadia”.