Carta a Marcelo: Aguardar “outros 60 dias” é brincar com a Madeira

Agostinho Silva

Miguel Albuquerque enviou na manhã da sexta-feira passada uma exposição muito crítica ao Presidente da República, dando conta da “situação gravíssima” de emergência económica e social – a que o Estado português está a reagir com indiferença e indecisão política. Foi essa carta que motivou o súbito comunicado de Belém, também na sexta-feira.

Albuquerque aponta a Marcelo aquilo que considera ser obrigação do Estado concretizar desde logo e sem mais demoras: autorizar a Madeira a desencadear uma operação de endividamento líquido adicional, estimado em 300 milhões de euros, bem como adiar o pagamento de duas tranches devidas pelo PAEF (48 milhões em julho e igual valor montante em janeiro).

A missiva de Albuquerque clarifica dois equívocos: a Madeira não precisa do aval do Estado, dado equilíbrio das suas finanças públicas, nem as autorizações solicitadas implicam qualquer custo adicional para as contas públicas nacionais.

Mandar “aguardar outros 60 dias” é brincar com a Madeira - conclui Albuquerque.

Mais detalhes na edição impressa do JM desta segunda-feira.