Tranquada Gomes: Reservar para o Estado apenas funções de soberania

Alberto Pita

Tranquada Gomes, presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, defendeu hoje que as regiões autónomas têm de conseguir chegar, com eficácia, aos centros do poder político europeu, onde se discutem e tomam as decisões que influenciam o futuro dessas regiões.

«Neste contexto, não é aconselhável fazer evoluir a autonomia reservando para o Estado apenas as funções de soberania e deixar as restantes matérias aos legislador regional?», questionou-se.
Tranquada Gomes disse também, no discurso do Dia da Região, no parlamento regional, que «não faz sentido continuar-se a proibir partidos regionais, a não permitir a criação de um círculo de candidaturas nas regiões autónomas para o Parlamento Europeu, a não restringir as matérias de reserva relativa da Assembleia da República».