Construção: AFA incentiva transporte próprio e faz medições diárias de temperatura

Marco Milho

Para quem continua nas obras de construção, os dois momentos mais delicados são o transporte dos trabalhadores e a hora da refeição. “No Grupo AFA esses momentos estão a ser levados muito a sério e o plano de contingência já está em vigor há 15 dias”, refere fonte da empresa.

“A todos os trabalhadores AFA passámos a medir as temperaturas no princípio e fim do dia”, assegura a empresa. “Se algum trabalhador tiver algum familiar com sintomas, esse trabalhador fica logo automaticamente dispensado de trabalhar e é mandado para casa. Neste momento, as principais obras do grupo decorrem no Pedregal (Campanário), Machico, São Jorge e Ponta do Pargo. As fotos aqui publicadas foram registadas hoje no Pedregal e em Machico.
“Os dois momentos delicados são o transporte (início e final de dia) e o almoço”.
Sobre o transporte, a AFA alugou as carrinhas dos hotéis do grupo (agora totalmente disponíveis) para evitar transportes amontoados. Atualmente cada meio de transporte foi reduzido a 30% da sua capacidade: 2 pessoas em carrinhas de 5 lugares, e 3 em carrinhas de 9. A empresa está também a pagar despesas e a incentivar quem quiser levar o seu próprio carro para o trabalho. Nalgumas obras, um terço dos trabalhadores já pelos seus próprios meios.

Em relação às refeições, o Grupo AFA optou por criar mais um turno para o serviço de refeições e instalou mais contentores nas obras com a finalidade de dividir os trabalhadores.

Para qualquer eventualidade mais exigente, a AFA “adaptou uma carrinha isotérmica para isolar qualquer trabalhador que venha a exibir sintomas durante os trabalhos.” Para além disso, nas antigas instalações da Tâmega, estão preparados quatro quartos, caso sejam necessários.”

Em relação aos serviços administrativos, no PIZO, a AFA reduziu a presença de pessoas para apenas 30% do habitual, com os restantes em férias ou teletrabalho.