Covid-19: Profissionais de saúde obrigados a deixar apartamento no Funchal

Edmar Fernandes

É um caso que está a gerar algum desconforto. Ao que apurou o JM, pelo menos dois profissionais de saúde do SESARAM foram ontem transferidos para outra casa, no Funchal, depois de manifestações de incómodo assumidas por alguns condóminos do bloco de apartamentos onde estavam instalados.

Os profissionais em causa estavam nesse espaço há relativamente poucos dias. Trata-se de um apartamento afeto à atividade de Alojamento Local que fora cedido por uma empresa a operacionais que integram a equipa que está na linha da frente no hospital dr. Nélio Mendonça.

Porém, o alojamento em causa durou poucos dias. Ao se aperceberem que tinham no prédio pelo menos dois profissionais de saúde ligados ao combate ao novo coronavírus, alguns condóminos mostraram o seu descontentamento.

Resultado, a mesma empresa que tinha cedido aquele apartamento encontrou rapidamente outra solução e, poucas horas depois, os profissionais de saúde já estavam noutra casa.

O incidente foi comunicado internamente no SESARAM e é visto como exemplo de desumanização de alguns cidadãos. Enquanto empresas com casas vazias destinadas ao Alojamento Local se oferecem para ceder espaços para os profissionais ficarem mais confinados a um quarto ou apartamento, madeirenses pouco informados atuam em sentido contrário afastando quem está na linha da frente no hospital Dr. Nélio Mendonça.

Neste caso, para já, vale a bondade da empresa que prontamente tratou da transferência para outra casa evitando danos maiores.