RIR pede que Governo "respeite" os profissionais de saúde

O partido RIR pediu, através de comunicado, que o Governo Regional da Madeira, "não faça com os profissionais de saúde, aquilo que o governo da República está a fazer".

Em causa está, segundo Roberto Vieira, "que estes profissionais, estando na linha da frente a trabalhar arduamente, sendo mesmo usados como 'carne para canhão' e colocando as suas vidas em risco, como a dos seus mais próximos, na eventualidade de ficarem contagiados, no exercício das suas funções, vão para casa, apenas com uma parte do salário, com uma 'baixa dita normal', o que no nosso entender é um escândalo e uma falta de reconhecimento a estes trabalhadores."

"São atitudes destas que envergonham os portugueses, pois enquanto estes homens e mulheres são elogiados e aplaudidos por todos nós, o governo da República corta no salário, no caso de estes ficarem contagiados no exercício das suas funções, estes vão trabalhar e não sabem se regressam nesse mesmo dia para casa", acrescenta,

O RIR afirma ainda que "estes profissionais, médicos, enfermeiros, técnicos, assistentes operacionais e administrativos não recebem qualquer subsídio de risco, o que uma vez mais, atenta contra estes trabalhadores."

No que respeita aos enfermeiros, o RIR lembra que "estes sempre foram maltratados pelo governo da República, quer no congelamento de carreiras, quer na atualização salarial, bem como no reconhecimento da sua licenciatura, pois nunca foram reconhecidos, quer pela Ministra, quer pelo governo" e que "este governo socialista e não eleito aumentou o salário dos juízes, em mais 700€ e agora não tem a coragem de contemplar estes profissionais, com um salário justo e compatível às funções de risco, que estes estão a ter num momento muito difícil, como este combate ao Covid19."

O RIR defende, por fim, a própria "demissão desta ministra, que já deu provas suficientes, que não está à altura de comandar esta difícil batalha."