Mais de um milhão de euros gastos na aquisição de terrenos para faixa corta-fogo do Caminho dos Pretos

O presidente do Governo Regional reconheceu esta tarde, durante a visita às obras nos terrenos que permitirão à criação de uma faixa corta-fogo entre o Caminho dos Pretos e a Ribeira das Cales, que "a prevenção relativamente aos fogos exige um trabalho continuado, consistente, com tempo e estratégia".

Recordando a intervenção que foi iniciada nas zonas "mais periclitantes" do ponto de vista de expansão dos fogos, sobretudo os que ameaçam a cidade do Funchal, que é a zona do Caminho dos Pretos até à Ribeira das Cales, o presidente do Governo Regional referiu que foi criada ali uma faixa corta-fogo que só foi possível graças à aquisição de terrenos, muitos deles privados.

Neste momento, dos 640 hectares que compõem a zona, 200 já estão intervencionados (as plantas infestantes já foram substituídas por vegetação autóctone) e o trabalho é para continuar, como garantiu o chefe do Executivo madeirense, revelando que, simultaneamente, está a ser construído um grande tanque que irá abastecer água para as intervenções caso haja incêndios, estão a criar-se caminhos florestais para a circulação dos bombeiros e das infraestruturas de combate aos fogos e uma rede hídrica, com grande capacidade, que poderá servir para fogos pontuais nas zonas limítrofes da faixa corta-fogo.

Miguel Albuquerque aproveitou a ocasião para agradecer a disponibilidade de um conjunto de empresas que, não só contribuíram com donativos para a aquisição de terrenos por parte do governo, mas também elas próprias se disponibilizaram a doar terrenos à Região para esta intervenção, num total de 80 hectares cedidos.

Já na aquisição de terrenos, o presidente revelou que foram gastos cerca de um milhão e cem mil euros.