Mais de 100 cidadãos da Madeira enviam carta-aberta sobre a eutanásia à Assembleia da República

JM

Um grupo de cidadãos da Madeira enviou hoje aos seis deputados eleitos pela RAM na Assembleia da República uma carta-aberta em que manifestam “a sua profunda preocupação sobre o processo legislativo em torno das propostas de lei que visam despenalizar a eutanásia/morte assistida”. Entre os subscritores encontram-se Alberto João Jardim, D. Nuno Brás e Ilse Berardo.

Assim, mais de 100 elementos das mais variadas profissões, faixas etárias, conceções ideológicas e religiosas uniram-se para fazer eco das suas preocupações juntos dos deputados que elegeram à Assembleia da República.

“Considerando que os seis deputados madeirenses foram eleitos por partidos que não incluíram esta temática nos seus programas eleitorais, nem abordaram o assunto em ações de campanha, estes cidadãos da sociedade civil madeirense urgem os deputados a clarificar atempadamente o seu posicionamento sobre as propostas de lei em causa, junto da população madeirense”, ressalvam.

De realçar que entre os subscritores encontra-se o antigo presidente do Governo Regional Alberto João Jardim, o bispo do Funchal D. Nuno Brás, a pastora luterana Ilse Berardo, o médico Gil Alves, a presidente da Ordem dos Advogados na Madeira Paula Margarido, os advogados Guilherme Silva e Hugo Velosa, o antigo presidente da Assembleia Legislativa Tranquada Gomes.