Câmara da Ribeira Brava estuda solução para estrada do sítio da Furna

Lúcia M. Silva

A Câmara Municipal da Ribeira Brava está a estudar uma solução para mitigar o risco de derrocada sobre a estrada do sítio da Furna, localidade que no passado dia 4 de fevereiro, foi assolada por um incêndio que levou o dia inteiro a ser combatido pelos Bombeiros Mistos da Ribeira Brava e Ponta do Sol.

O assunto foi discutido esta manhã na assembleia municipal que se realizou nos paços do concelho e que contou com a presença do presidente, Ricardo Nascimento.

O autarca quer que um técnico especializado vá ao local para avaliar não só o impacto dos últimos incêndios mas também a própria estrada uma vez que esta representa alguma perigosidade para a população que só tem aquela via para chegar a casa. É que, para além dos muitos eucaliptos na encosta sobranceira à estrada, Ricardo Nascimento teme que os restos das árvores cortadas ou queimadas pelos fogos sejam arrastados para a estrada num dia de maior pluviosidade, colocando em risco a vida das pessoas que por ali circulam.

Apesar de o gabinete técnico da Câmara ter "algumas ideias para o local", o presidente quer ouvir uma entidade externa sobre o assunto de modo a chegar à melhor solução possível.

Neste momento, a estrada que liga ao sítio da Furna está limpa e transitável, havendo, no entanto, uma parte da iluminação pública que continua desligada por estar a aguardar uma decisão camarária.

Relativamente aos outros pontos aprovados nesta reunião, foi ainda aprovada a alteração ao Regulamento de Apoio ao Emprego.

Neste momento a Câmara Municipal da Ribeira tem um programa de emprego na Câmara que alberga pessoas que estão desempregadas e não recebem qualquer subsídio. O programa permite que estas pessoas façam uma formação na autarquia que poderá ir até um ano e meio de duração. O que esta alteração vem trazer é a oportunidade de estes mesmos desempregados poderem, a partir de agora, fazer essa "formação ao longo da vida" em outras instituições, nomeadamente, nas juntas de freguesia e associações do concelho. A extensão deste programa de emprego às juntas e associações faz com que 25% da bolsa que é paga aos formandos saia dos seus cofres, sendo que o restante valor ficará a cargo do município.

O assunto 'Rafael Macedo' foi também falado nesta assembleia. O médico, que foi eleito deputado municipal nas Autárquicas de 2017 pelo JPP e que acabou por se assumir como independente, renunciou esta semana ao mandato. Por lei, quem se segue na lista e vai substituir Rafael Macedo é Marco Nuno das Almas.