Congresso/PSD: Rui Rio elege sistema político e justiça como "reformas prementes" a fazer

O presidente do PSD defendeu hoje, no encerramento do congresso do PSD, “duas reformas absolutamente prementes: a reforma do sistema político e a reforma da justiça”.

No sistema político, propôs uma reforma que “devolva transparência, verdade e eficácia”, baseada em “repensar a forma de eleger os deputados e os executivos autárquicos, limitar o número de mandatos no parlamento tal como já hoje acontece nas autarquias locais, reduzir moderadamente o número de deputados, alterar a composição da Comissão de Ética da Assembleia da República de molde a evitar os conflitos de interesses ou revisitar a lei dos partidos”.

Mas, para Rui Rio, se a classe política está desprestigiada, “os agentes judiciais não o estão menos”.

Neste sentido, criticou a “incapacidade demonstrada em muitas investigações que se arrastam penosamente no tempo sem que os prevaricadores sejam punidos, a relativa opacidade do seu funcionamento, o corporativismo prevalecente, a morosidade na maioria dos processos designadamente nos tribunais administrativos e fiscais, a devassa de processos judiciais na comunicação social, a incapacidade técnica para lidar com processo mais complexos ou a arrogância no comportamento de muitos dos seus agentes, foram destruindo ano após ano a confiança dos portugueses no nosso sistema judicial”.

Para as duas reformas, mostrou-se disponível para encontrar “pontos de entendimento com os outros partidos e com a sociedade em geral”.

O presidente do PSD manifestou ainda preocupação com a Educação, Saúde, Segurança Social e a degradação dos serviços públicos.