Madeira já não registava temperaturas mínimas tão altas desde 1960

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) informou esta tarde que no Funchal, no dia 4 de fevereiro de 2020, registou-se o maior valor da temperatura mínima do ar, desde 1960.

Entre os dias 31 de janeiro e 5 de fevereiro de 2020 ocorreu na Madeira uma situação meteorológica tipicamente conhecida como 'leste' (vento de leste com invasão de ar quente e seco que deu origem a temperaturas elevadas, humidade relativa muito baixa e alguma bruma).

“O ‘leste’ ocorre em geral nos meses de fevereiro a abril e de agosto a outubro e pode durar até sete dias, mas em regra não dura mais de três dias, sendo que este episódio teve a duração de 5 dias”.

O maior valor da temperatura máxima do ar (29,1 °C) foi registado em Porto Moniz, o valor da humidade relativa do ar mais baixo (6%) foi registado na Quinta Grande e o maior valor da temperatura mínima do ar (22,1 °C) foi registada no Lugar de Baixo. Na estação meteorológica Funchal/Observatório, a temperatura máxima foi 26,1 °C e a temperatura mínima 21,1 °C. Todos os valores anteriormente referidos foram registados no dia 4 de fevereiro de 2020.

Analisando a série de dados do Funchal/Observatório (por ser uma série muito mais longa do que a de Porto Moniz e da Quinta Grande), relativamente à temperatura máxima e à temperatura mínima no mês de fevereiro, desde 1960 até ao dia 5 de fevereiro de 2020, verifica-se que 26,1 °C foi o 4º maior valor de temperatura máxima registado e que 21,0 °C foi o maior valor de temperatura mínima registado.

Estas situações meteorológicas que dão origem a dias com temperatura máxima superiores a 26 °C nos meses de fevereiro não são uma situação nova na Madeira uma vez que, entre 1960 e 1990, ocorreram 2 vezes (1961 e 1971) e desde 1990 ocorreram 5 vezes. Valores da temperatura mínima superiores a 20 °C foram registados em 1961 (20,3 °C) e 1971, (20,6 °C) e agora em 2020 (21,0 °C), sendo este o maior valor registado no Funchal.

Esta situação foi acompanhada por vento forte, com rajadas que variaram entre 35 km/h em Santa Cruz e 93 km/h no Chão do Areeiro, sendo que rajadas superiores a 70 km/h foram também registadas nas estações meteorológicas dos Prazeres, Ponta do Pargo, Lombo da Terça, Pico Alto e Ponta de São Jorge.

Em conclusão, pela análise da série de dados do Funchal/Observatório, verifica-se que nos últimos anos, os dias quentes e secos aumentaram de frequência nos meses de fevereiro, os quais, associados a vento forte, reúnem as condições meteorológicas favoráveis à ocorrência de fogos florestais e à sua propagação.