CMF promove intervenção artística no túnel do Campo da Barca

Redação

A Câmara Municipal do Funchal promove, a partir desta semana, a criação de mais uma intervenção de arte urbana na zona do Campo da Barca, nomeadamente no respetivo túnel municipal. A nova obra será da autoria do artista Marco Fagundes e é apoiada pelo Município no âmbito dos Apoios ao Associativismo e Atividades de Interesse Municipal, numa colaboração com a Associação Wamãe.

De acordo com o gabinete de comunicação da CMF, a intervenção já começou e irá decorrer até 14 de fevereiro, nos dias úteis das 20h00 às 23h00, e nos fins-de-semana das 8h00 às 23h00. O trânsito será interrompido apenas numa das vias, sendo gerido pela PSP no local.

De acordo com Madalena Nunes, que tem os pelouros da Cultura e do Desenvolvimento Social no município, “o caráter especial desta intervenção, que terá a participação de pessoas de vários locais e origens, tais como jovens que estão a residir ou já residiram no Estabelecimento Vila Mar, utentes da AFARAM e de outras instituições com vista à inclusão social e, inclusive, Pessoas em Situação de Sem-Abrigo. Além de artística, esta é, por isso, uma intervenção com uma importante componente social.”

A responsável lembra ainda que a CMF tem investido no potencial que as práticas artísticas possuem no processo de inclusão, desenvolvimento e coesão social e que este projeto associa, mais uma vez, a criação artística a esse trabalho, com o envolvimento de cidadãos em risco de exclusão social, mas que estarão, neste caso, a contribuir para o enriquecimento do património artístico da cidade que é sua. Esta é uma mensagem forte que passamos e que para nós tem muito significado. Este é um dos objetivos das Cidades Educadoras, de cuja rede o Funchal faz parte e cujo trabalho tem sido reconhecido a nível regional, nacional e internacional.”

De salientar que o mural vem juntar-se a dois outros já existentes no local, nomeadamente «A Baleia», de Marcos Milewski e «Cristiano Ronaldo», de Luísa Spínola, “criando aquilo que já podemos considerar um polo de arte urbana no Funchal, neste caso com uma intervenção algo inovadora, realizada num túnel, o que é pouco habitual em Portugal”, reforça a autarca, acrescentando que “o Funchal tem seguido, nos últimos anos, uma política cultural que privilegia a acessibilidade, a democratização e a valorização dos agentes culturais locais.”

“Ao utilizarmos o espaço urbano para a instalação de manifestações artísticas, conseguimos que estas cheguem a uma grande diversidade de pessoas, que de outra forma talvez não tivessem acesso às mesmas. Esta acessibilidade da pintura, das instalações, do teatro, do vídeo e da escultura, entre outros, em sítios surpreendentes do Funchal tem acontecido em diferentes momentos e com diversos agentes culturais, com o patrocínio do Município.”

Em termos de murais espalhados pela cidade, o Funchal tem apoiado diversos projetos ao longo dos últimos anos. É o caso, por exemplo, do mural do parque de estacionamento do Almirante Reis, elaborado por Bárbara Gil, para além das duas outras intervenções já referidas no Campo da Barca. “Cada vez mais cidades têm vindo a incluir a arte urbana como parte das suas estratégias de promoção e planeamento turístico, em virtude da gradual valorização social e legitimação institucional deste tipo de expressões estéticas no espaço público, e acreditamos que esta é mais uma forma de revitalização urbana, fortalecendo a identidade da cidade e a sua dinâmica.”