Governo vai esclarecer população das vantagens da aquacultura

David Spranger

O projeto de mais duas aéras de exploração, há muito delineadas, é mesmo para ir para a frente, com o secretário regional do Mar e Pescas a aludir a uma campanha de desinformação que urge clarificar.

Foi ao final da manhã desta sexta-feira, que Teófilo Cunha reiterou que a criação de mais duas áreas de aquacultura na Costa Sul da Madeira é uma realidade e que irá mesmo ser colocada em prática.

O secretário regional do Mar e Pescas diz que a prioridade agora irá para os esclarecimentos que terão que ser dados à população para esbater “a nuvem de poeira levantada com propósitos políticos”, quando todos “reconhecem mundialmente se trata de uma alimentação saudável.

“A aquacultura é uma forma segura de produzir peixe e proteger o meio marinho quanto à sua capacidade de produzir peixe selvagem. É defendida pela FAO, das Nações Unidas, como o primeiro meio para impedir que se acabe com os peixes selvagens. Neste momento, quase 60% do peixe consumido mundialmente é de aquacultura”, justificou o governante, após a conclusão do Conselho de Governo de hoje.

O capital acumulado da Região nesta matéria, com 20 anos de experiência, é outras das argumentações, bem como o impacto financeiro, na ordem dos “cinco milhões de euros”, referenciados em 2019, resultantes das cerca de mil toneladas de dourada.