Olavo Câmara defende que Universidade da Madeira tenha acesso a fundos europeus

Redação

O deputado do Partido Socialista-Madeira à Assembleia da República Olavo Câmara defendeu, ontem, a necessidade de a Universidade da Madeira (UMa) ter acesso a fundos europeus no próximo quadro comunitário de apoio, à semelhança dos estabelecimentos de ensino do continente.

Na discussão na especialidade da proposta do Orçamento do Estado para 2020, o parlamentar abordou o ministro do Planeamento a este respeito, considerando que esta seria também uma forma de a Academia poder encontrar mais uma fonte de financiamento para poder face às suas especificidades.

Tal como afirmou, «não tem acesso na Madeira porque o Governo Regional assim não o quis ou assim se esqueceu, e depois não tem acesso às candidaturas nacionais porque não são abrangidas, ou a sua parte já estaria atribuída nos fundos regionais».

Olavo Câmara fez questão de deixar o alerta «para que, na negociação deste novo quadro comunitário, a Universidade da Madeira não fique esquecida, ou no meio do jogo do empurra, em que a culpa ora é do Governo Regional, ora é do Governo da República».

O deputado madeirense entende que o interesse desta instituição tem de ser salvaguardado e exortou o ministro do Planeamento a que, no próximo quadro, «a Universidade da Madeira possa concorrer a qualquer candidatura a nível nacional, como qualquer outra universidade do país».

Refira-se que, já esta terça-feira, a questão do financiamento da Universidade da Madeira havia sido abordada por Olavo Câmara no Parlamento, aquando da audição do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor. Na ocasião, o deputado havia apontado soluções para contribuir para o aumento dos apoios à Universidade, nomeadamente através da atração de mais alunos e docentes, com programas de mobilidade de alunos e de docentes, com intercâmbios ou programas à semelhança do Erasmus, bem como mais financiamento indireto e acesso aos fundos comunitários