Líder da JP-M arrasa Lino Abreu: “Não quero acreditar" que o CDS aceita nomear "condenado por corrupção"

Alberto Pita

O presidente da Juventude Popular Madeira (JP-M), Pedro Pereira, reagiu hoje de forma contundente à nomeação de Lino Abreu para assessor da empresa pública Horários do Funchal.

“É impossível poder concordar ou aceitar a nomeação do Lino Abreu para um cargo público!”, referiu o jovem dirigente, numa publicação na sua conta oficial de uma rede social.
“Não quero acreditar que o meu partido, de carácter Democrata-Cristão, possa aceitar nomear uma pessoa que foi condenada, em todas as instâncias, por corrupção”, considerou, dizendo que “a política exige transparência e integridade!”

Para Pedro Pereira, “são atitudes como esta [nomeação para empresa pública] que afastam os eleitores da política! Não foi certamente para isto que os eleitores retiraram a maioria absoluta ao PSD!”

“O momento que vivemos é histórico e exige do meu partido uma atitude exemplar que demonstre o que andamos a dizer este tempo todo: existe mais vida na Madeira para além do PSD e existe na Madeira mais soluções de governo responsável para além do PSD!”, lê-se ainda no texto, que está a ser partilhado na rede social.

O presidente da JP-M disse ainda querer acreditar que se trata de “uma notícia falsa e que o tempo encarregará de a desmentir, porque a mensagem que se passaria para o eleitor é inaceitável!”. Porém, o JM já confirmou junto de fontes próximas ao processo a nomeação de Lino Abreu para assessor do conselho de administração da HF.

“Não quero acreditar que o CDS passará a mensagem de que aceita, ou pior, apoia atos de corrupção! A seu tempo transmitirei internamente, nos órgãos do partido, esta minha posição!”, vincou.