XII Mostra Canina com menos cães

Tânia Nascimento

Cerca de 50 cães entraram, esta tarde, na XII Mostra Canina, um número que o responsável, José Carlos Gomes, disse ser «o mais baixo» de todas as edições.

«Este é o menor número que já tive até ao momento, mas por uma série de circunstâncias, entre as quais as pontes, os santos populares, o rali, condicionando as pessoas que gostariam de cá vir», concretizou, ainda antes do início da mostra, que se realizou nos jardins do Lido, no Funchal.
Por isso mesmo, previu, a próxima edição do evento acontecerá numa outra data, dando oportunidade a mais pessoas de se poderem inscrever.
«Penso que para o ano, como vou marcar isto para o dia 30 de junho, não haverá santos populares que me batam e voltarei a ter os 80 e os 90 cães que costumava ter», sublinhou.
Para além dos cães de «raça pura», entre os quais golden retrievers, pastores alemães, teckels e bulldogs franceses, participaram também canídeos sem raça definida.
O melhor exemplar de cada raça teve direito a prémio, passando, depois, à última volta para encontrar os cinco melhores do certame. Quanto aos “rafeiros”, um juiz do Clube Português de Canicultura elegeu os três melhores, segundo critérios como a pelagem, o porte e o carácter.