Emanuel Torres sobreviveu ao maior acidente da aviação civil portuguesa

Há 42 anos, a dez minutos das 22 horas do dia 19 de novembro de 1977, o país ficou em luto.

131 mortos e 33 feridos foram os trágicos números, após o Boeing 727-200 batizado “Sacadura Cabral” ter-se despenhado no aeroporto de Santa Catarina e ter provocado a maior tragédia da aviação civil portuguesa de que há memória.

O acidente ocorreu num voo comercial da TAP, entre Bruxelas e Funchal, com escala em Lisboa. Após duas tentativas frustradas de aterragem, o Boeing tentou aterrar pela terceira vez, no entanto os aguaceiros fortes, a excessiva velocidade, a existência de condições para hidroplanagem e o facto do trem de aterragem só ter tocado 323 metros à frente do ponto de toque normal ditaram um desfecho trágico.

Emanuel Torres, um dos sobreviventes desta tragédia vinha de Lisboa com a mãe, que atinha ido tratar da sua tensão arterial que se encontrava alta.

Ao JM, explica com tristeza um episódio que o marcou para toda a vida. “Tive o azar de em vez de aterrar na pista, aterrar no mar”. Com 17 anos perdeu a mãe no acidente, mas conseguiu salvar uma criança que ia também no avião. 42 anos depois, diz que ainda não consegue perceber o que aconteceu.

Conheça mais detalhes desta conversa com Emanuel Torres na edição impressa de amanhã.