'Lideranças baças' afastam cidadãos da Europa, diz Mota Amaral

JM

O antigo presidente da Assembleia da Repúblico e do Governo Regional dos Açores lançou esta tarde na Madeira o seu livro 'Os Açores, Portugual e a União Europeia', no qual aborda diversos aspetos da integração e da luta das ilhas por "um lugar ao sol" na União Europeia.

Com sentido de dever cumprido, conforme fez passar, é crítico sobre o atual estado da União e lamenta o alheamento dos cidadãos.

"Os cidadãos não se sentem desafiados porque as lideranças europeias são baças", afirmou na sessão realizada no Centro de Estudos de História do Atlântico, onde começou por dizer que já não vinha à Região há muito tempo, desde a inauguração da obra do aeroporto.

Particularmente, e fazendo referência a Alberto João Jardim, que apresentou a obra, disse que ambos deram o seu contributo no que respeita à valorização das regiões na Europa e que cabe aos outros a continuidade. "Demos o nosso contributo, passámos o testemunho", afirmou.

Alberto João Jardim começou por falar da amizade que o une ao autor, desde os 17 anos de idade, e por evidenciar o significado do local. "Foi criado nos meus governos pelo João Carlos Abreu", disse.

Percorrendo os diversos capítulos da obra, o antigo presidente do Governo Regional enalteceu a perspicácia de Mota Amaral na análise que faz sobre a União Europeia, e, em particular, o 'humor refinadíssimo' com que trata um dos capítulos intitulado 'Constitucionalite frenética?'.

O livro, dado à estampa pela Editora Letras Lavadas, está a ser promovido na Madeira pela CRIAMAR.