Histórias de vida de migrantes colocadas em livro

David Spranger

O auditório do Centro de Estudos de História do Atlântico, no Funchal, acolheu ao início desta noite a cerimónia de apresentação do livro ‘Mala da Partilha – Testemunhos de Vida de Migrantes’.

O livro resultou da recolha de testemunhos um pouco por todo o País, incluindo a Madeira, na sequência do roteiro cumprido por essa ‘Mala da Partilha’, simbolizando a viagem empreendida pelos migrantes, que percorreu as diferentes dioceses aderentes, sendo nela colocadas cartas que contam experiências de vida, narradas pelos próprios. Todos, deixando a sua terra em busca de um futuro mais risonho, para si e seus familiares.

Movida pela envolvência e generosidade, transversais aos conteúdos das histórias partilhadas, a Cáritas Portuguesa compilou esses mesmos testemunhos num livro e foi esse mesmo compêndio que ontem foi apresentado na Região.

A solenidade do momento ficou desde logo expressa na presença de D. Nuno Brás, D. António Carrilho e D. Teodoro Faria, naquela que terá sido a primeira vez que uma cerimónia juntou o atual Bispo da Diocese do Funchal com os seus dois antecessores.

José Manuel Rodrigues e Augusta Aguiar, representaram a ALRAM e o Governo Regional, respetivamente, tal como as mais diversas entidades militares, com destaque para o novo comandante Operacional da Madeira, João Dores Arestas.

A ocasião permitiu ainda a Paula Margarido, do Secretariado Diocesano das Migrações e Turismo recuperar aquele que foi o trajeto da ‘Mala da Partilha’ pelas diversas Paróquias da Região. De resto, lembrou o papel preponderante da Cáritas e do Secretariado Diocesano da Região, em todo este processo, qualificando a obra como de um valor humano e social inestimável.

Antes, o ‘prefácio’ da apresentação do livro, propriamente dita, estivera a cargo de Eugénio Fonseca, presidente da Cáritas Portuguesa, e Filipa Abecasis, coordenadora da elaboração do precioso documento.

No arranque da cerimónia, coubera a Graça Alves, do Centro de Estudos de História do Atlântico, fazer as ‘honras da casa’, numa sessão onde foi ainda ouvida a mensagem do Papa Francisco aos migrantes e refugiados, aqui se lembrando que o projeto ‘Mala da partilha’ resulta de a campanha ‘Partilhar a Viagem’, da Cáritas Internacional, lançada em 2017 a partir do Vaticano.

A ‘Cultura do Encontro’, conforme denominada esta arte de acolher pessoas, foi bastante, enaltecida na Região, conforme referências acrescidas feitas tanto por Duarte Pacheco, presidente da Cáritas Madeira, como por D. Nuno Brás. Da mesma forma que Augusta Aguiar garantiu que o Executivo madeirense vai continuar a sua política de bom acolhimento e Eugénio Fonseca alertou para os preocupantes sinais de xenofobia que parece que vão sendo dados no País, Região à parte, conforme fez questão de ressalvar.