Produtores de Banana reagem a Secretaria da Agricultura

Petra Teixeira

A Associação de Produtores da Banana da Madeira (ABAMA) respondeu ao comunicado da Secretaria Regional da Agricultura e Pescas, no passado dia 8 de junho, sobre o setor desta fruta.

Por tópicos, a ABAMA escreve:

«1 - Desconhecem-se situações de falência, mas reconhece-se que o Sr. Secretário é a pessoa indicada para falar disso, até pela capacidade que revela em integrar na sua empresa pública regional, responsáveis pelas tais cooperativas, a COOPOBAMA e a BANANASOL, que considera desastrosas.

2 - A ABAMA está apostada em defender apenas os itneresses dos produtores de banana da Madeira, aqueles que metem as mãos na terra, cortam os cachos e defendem a qualidade do que se produz, valorizando a nossa paisagem.

3 - Não aceitamos que seja enviada para a Meia-Serra a banana que produzimos, impedindo o agricultor de assistir à seleção e ao peso da banana no armazém da Ponta do Sol, deixando-a apodrecer em cima da terra, prejudicando o agricultor que não recebe dinheiro pelo seu trabalho e o consumidor final que fica impedido de conseguir um preço mais acessível. Só quem não trabalha com suor, pode ficar indiferente a este desperdício.

4 - É preciso dizer a verdade aos madeirenses para quem saibam, que na Madeira se criou uma situação única em todo o espaço europeu permitindo a comercialização de produtos agrícolas por uma empresa pública e não por uma organização ou um agrupamento de agricultores.

5 - Afirmar que a GESBA evita falências, exige que se esclareça a toda a população que esses "bons resultados" devem-se exclusivamente a um momento da ajuda europeia, seis vezes superior à ajuda concedida no anterior período de programação financeira (mais de 6 milhões de euros anuais), gerando lucros de 3 milhões de euros anuais mantendo o mesmo valor pago aos agricultores desde 2005. Esses lucros, conseguidos à custa de quem trabalha a terra, permitem o pagamento de avenças e serciços chorudos pela Gesba a alguns "escolhidos".

6 - Os madeirenses precisam ainda de saber que o Governo Regional fez publicar uma Portaria que na prática impede que outras entidades possam comercializar a banana da Madeira, protegendo este monopólio à semelhança daqueles que havia no regime de Salazar... E é deste lucro que o Sr. Secretário se orgulha, à custa dos agricultores!», termina o comunicado, assinado pela Associação.